quarta-feira, 13 de maio de 2015

A luta de massas dos trabalhadores, desempregados e emigrantes


Zillah Branco *

Os cérebros financiados pelo centro do poder mundial do sistema capitalista inventam e divulgam teorias que utilizam os conceitos desenvolvidos por Marx acerca da evolução dialética da História dos povos, mascarados com uma profusão de termos teóricos para esquecer o verdadeiro autor e a perspectiva revolucionária, e apresentam um momento da história como sendo a realidade global com a sua imagem paralisada e congelada que anula a dinâmica natural do seu desenvolvimento.


Em outras palavras, apropriam-se de uma idéia livre, transformando-a no seu contrário aprisionado como um roubo qualquer, e divulgando através dos órgãos de estudos universitários e de comunicação social, como "base do conhecimento formador da consciência e a cultura dos povos". Então consideram o sistema capitalista como o único possível e a sua crise financeira como uma fatalidade para toda a humanidade e até a natureza planetária.

Esquecem-se de que a liberdade real não está sujeita à prisão e que o empobrecimento da maioria dos cidadãos no mundo tem aumentado o número dos que são marginalizados dos benefícios sociais do sistema capitalista inclusive o da formação, o que os liberta também da influência nefasta do modelo de robotização veiculado para "congelar a dinâmica da evolução dialética da realidade" em que vive.

As massas trabalhadoras, organizadas em seus movimentos sociais - sindicatos, associações, grupos e partidos - assumem a condução de uma classe explorada, marginalizada, despojada do património da sua pátria e dos serviços do Estado nacional que tem sido vendida a retalho a empresas privadas estrangeiras, a constituírem um exército em defesa da liberdade humana, dos direitos adquiridos historicamente pelos trabalhadores e da soberania nacional do seu país, contra os desmandos de uma elite que se reune a nível internacional no clube dos ricos para forjar a imagem de uma falsa realidade que lhes permite exercer o poder.

"O chefe de Estado da Bolívia participou na inauguração da escola Aniceto Arce, na cidade de Oruro, e recordou que o neoliberalismo, instaurado no país desde 1985, só intensificou a profunda crise e deixou a maioria da população na pobreza.

"Essas políticas legaram-nos mais crise econômica, mais pobreza, mais desemprego. Custaram 20 anos para começar a recuperação do país: as empresas, os serviços básicos, as escolas, tudo estava privatizado. Em alguns países vizinhos tudo está privatizado, até o mar", recordou o Presidente Evo Morales."

A situação a que foram conduzidos os povos europeus pela crise sistémica que levou as instituições financeiras ao desequilíbrio e que a União Europeia tenta compensar com a aplicação da austeridade que retira o poder aquisitivo às camadas sociais mais pobres, levou as nações mais ricas a colonizarem as mais pobres, assim como permitiu à NATO destruir as sociedades em países ao norte da África que serviam como zona tampão para permitir o relativo isolamento das regiões árabes ricas em minérios.

Dessa situação de empobrecimento, surgiu uma grande massa de emigrantes que foge dos seus países em busca de sociedades mais livres onde possam sobreviver, uns com formação profissional que o sistema precisa e pode contratar em países ricos, e outros marginalizados e famélicos que fogem com suas famílias aos bombardeios, e caem nas

malhas de traficantes que os transportam ao oceano atlântico para que sejam "pescados caritativamente" pelos países costeiros como náufragos miseráveis ou cadáveres. Semelhante a esta situação passam do México pelo "Muro" dos Estados Unidos os emigrantes latino-americanos, também sujeitos aos crimes dos traficantes que prestam um serviço ao sistema eliminando fisicamente os indesejáveis. E em outras partes do mundo capitalista surgem esquemas semelhantes, como na Indonésia, resultantes dos conflitos tribais ou religiosos acirrados pelos agentes mercenários do sistema de poder.

Assistimos ao florescimento de povos que foram capazes de coordenar os movimentos sociais produzidos pela luta popular no seu desenvolvimento histórico. Assim como foi possível em Portugal a realização de um momento revolucionário em que criou a nacionalização dos bancos e das empresas fundamentais ao Estado, implantou a legislação do trabalho, deu início à Reforma Agrária com capacidade para gerir os serviços essenciais ao seu desenvolvimento com autonomia, lançou as bases de um sistema nacional de educação e de saúde pública (que levou o centro imperial de poder a destacar as suas figuras máximas no cenário político/ policial - o Secretário de Estado Kissinger e o diretor da CIA Carlucci) para levantar a direita portuguesa contra- revolucionária), na América Latina surgiu o caminho contra o neoliberalismo dominante no final do século passado que se difundiu pelo continente como um rastilho de consciência nacionalista e popular que tem vencido as pressões do imperialismo em crise.

"Por meio do método cubano de alfabetização para jovens e adultos intitulado “Sim, eu posso”, o MST conseguiu zerar o analfabetismo em sete assentamentos da Bahia. Uma comemoração foi realizada no último sábado (9) na Escola Popular de Agroecologia e Agrofloresta Egídio Brunetto, no Assentamento Jaci Rocha, e contou com a participação de mais de 300 famílias. "

Estes momentos revolucionário da História não podem ser congelados, apesar de poderem ser retardados pela força militar/criminosa ou pela sobreposição de falsas expectativas de enriquecimento oferecidas pelo "Clube dos Ricos" que promovem grandes eventos com a fantasia da liberdade faustosa e do êxito premiado com milhões e um caminho fácil e cor-de-rosa para os que aceitam a coleira da "dialética congelada".

Nenhum comentário:

Postar um comentário