sábado, 13 de outubro de 2018

Fascismo avança empurrado pela comunicação

Zillah Branco, 
especial para O Lado Oculto
Ao conhecermos Haddad na sua trajectória durante o governo Lula no Brasil ficámos impressionados com a formação cultural que tem, a partir da educação familiar com o respeito pelos valores éticos e de sociabilidade, com um casamento feliz porque baseado no respeito mútuo que alimenta o amor, e com vários cursos universitários que reuniram o conhecimento das leis e da administração pública a uma permanente consulta aos trabalhadores e aos que sofrem discriminações por diferentes preconceitos. Este devia ser o curso básico de qualquer governante em qualquer país.
Nelson Mandela, com uma origem tão diferente, coincide no geral com Haddad. Não sendo comunista, procurou conhecer a doutrina que os ativistas daquele partido de esquerda praticavam para somar-se à sua luta contra a opressão; sendo negro buscou compreender os brancos, os indianos, para compreender os laços que existiam entre as comunidades e as etnias no combate à opressão.
Hoje Mandela é homenageado na ONU por todos, inclusive pelo Presidente de Portugal, pelas qualidades superiores daquele líder africano. Talvez isto ocorra porque já morreu, mas o que gravamos é o elogio às qualidades, muitas das quais são idênticas às de Fernando Haddad.
No entanto, os media internacionais desvirtuam as informações sobre a luta contra o golpe e o fascismo no Brasil com as suas habituais "fake news" e as suas montagens de cenários novelescos a que se prestam corruptos personagens (como tem feito a TV em Portugal e no Brasil).
Não é de admirar que a "boca e o cérebro" do sistema do capital condenem Fernando Haddad (do PT) e Manuela d'Avila (do PC do B) que fraternalmente uniram os seus camaradas numa luta desenvolvida através de todo o extenso território brasileiro, para contactar todos os grupos sociais e conhecer os seus problemas reais. A elite poderosa do capital é antagónica em relação aos princípios democráticos que defendem a igualdade de condições de vida para toda a população, pois que a verdadeira democracia só será possível aplicando a riqueza da produção nacional no desenvolvimento social e económico, e não na acumulação bancária.
O papel das organizações religiosas
Os media alternativos que se desenvolvem militantemente no Brasil, e com a solidariedade possível à esquerda, conseguem divulgar a verdade que orgulha os lutadores em todo o mundo. Muitos líderes estrangeiros têm dado o seu apoio a esta luta - que tem como herói o ex-Presidente Lula, sequestrado pelos polícias do golpe de Temer que calaram o sistema judicial para eliminar a honra do Estado - e permitem aos vários canais de comunicação, que já se expandem na Europa e no mundo como "antídoto às fake news", uma nova proposta de convívio entre pessoas de bem para corrigir as armas de uma elite poderosa que valoriza apenas o poder desumano e retrógrado do dinheiro.
A influência da CIA sobre os media globais deteriora a formação cultural das populações e estupidifica as novas gerações, que são privadas de um ensino adequado para seres humanos positivos e de uma base cultural humanística. Instauraram uma formação de autistas ou de alienados capazes de seguir os piores exemplos dos filmes terroristas que se multiplicaram nos últimos anos.
O exemplo de isenção ideológica, na América Latina, tem sido dado pelas igrejas cristãs, unidas às que têm crenças diferentes (de acordo com as histórias dos seus povos), e pelas mensagens do Papa e de tantas personalidades respeitáveis de várias nações.
E de organismos da ONU. É um apoio benéfico à luta que o povo brasileiro desenvolveu nestas eleições pelo regresso a um governo democrático.
Mas a Igreja Evangélica, criada nos Estados Unidos como braço do imperialismo, transformou os actos de culto em comícios para promover o fascismo e conduzir os cidadãos mais desamparados e sem formação social ao combate à esquerda, recorrendo aos velhos preconceitos anti-revolucionários do tempo de Hitler. Dessa forma, o candidato da velha ditadura, o terrorista Bolsonaro, alcançou 46% dos votos.
Haddad e Manuela, com 29% dos votos receberão agora o apoio de Ciro Gomes e Guilherme Boulos, que se aproxima de 13%, e farão uma campanha de esclarecimento popular orientada pela herança das presidências de Lula, com o objectivo de reduzir as abstenções e clarificar as dúvidas de uma camada jovem que não conheceu a ditadura e embarcou nas falsas promessas de Bolsonaro e do Partido/Igreja Evangélica.
Do centro-direita onde se posicionam Geraldo Alckmin e outros perdedores também poderá sair um significativo número de votos de antifascistas que antes aderiram ao golpe.
É difícil prever o que vai acontecer na segunda volta, mesmo com a possibilidade de vitória da democracia, pois a ditadura com Bolsonaro à cabeça apenas tenta ser eleita para evitar a necessidade de usar a força. Será necessário um apoio internacional para que o fascismo não tenha hipóteses de regressar através de uma ditadura mascarada.

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Democracia, Já!

Pubicado no Portal Vermelho 
08/10/18

Saudosa memória da imensa manifestação "DIRETAS,JÁ!" que meteu no fundo da gaveta da História a ditadura fascista de 64! Mas precisamos lembrar que a geração de novos eleitores, que agora votaram, eram bebês ou crianças naquela época.

Esta juventude talvez não saiba o que é fascismo, mas eles e elas que agora votam, devem ter ouvido falar em repressão, perda de liberdade, invasão de casas familiares e escolas, prisões e torturas, assassinatos de militantes democratas, comunistas e petistas, ou mesmo alguns membros do PMDB que lutavam contra a ditadura. Este horror que dominou o Brasil por 21 anos é o programa que o ex-capitão Bolsonaro defende para ocupar o lugar de Presidente do Brasil. Ele é a ponta de lança da ditadura retrógrada.

Os apoiantes de Haddad e Manuela consideram uma necessidade urgente a de lutarem para que a ditadura, com Bolsonaro, NUNCA MAIS VOLTE AO NOSSO PAÍS!. Por isso apelam a cada uma e a cada um dos eleitores para que pensem com o cérebro e o coração na responsabilidade que temos de limpar o Brasil dos crimes do golpe que anulou a democracia, destruiu o sistema de Justiça, vendeu as riquezas nacionais a troco de bananas, congelou os orçamentos da saúde, do ensino, da segurança social, entregou a polícia federal aos subalternos da CIA que organizaram o governo golpista de Temer.

Porque Lula é o nosso herói? Porque é um brasileiro representante da maioria dos brasileiros nascido na miséria, passou fome quando criança, fez-se homem com a ajuda de familares, começou a trabalhar ainda criança, cultivou a honra inspirado no exemplo da sua mãe, formou-se na vida de trabalho como sindicalista para ajudar os demais companheiros de vida e de luta. Vejam o filme que está na internet (sobre a História de vida de Lula).

Pelas suas qualidades aprendeu a pensar na organização da sua pátria sem desigualdades, foi eleito Presidente da República por mérito próprio. Revelou-se um estadista reconhecido em todo o mundo - na Europa rica, nos Estados Unidos, na América Latina e Caribe, na África e na Ásia. Recebeu elogios da ONU, a qual passou a levar os seus planos aplicados no Brasil para combater a fome em países mais pobres - com a Bolsa Família - na criação de bolsas de estudo para que os mais pobres pudessem estudar e contribuir com a sua inteligência no desenvolvimento das ciências, da arte, das técnicas a nível superior, - na efectiva expansão do SUS (sistema universal de saúde) e da segurança social, no aumento do salário mínimo nacional, na ligação da reforma agrária com a alimentação escolar, no controle dos preços da alimentação básica, no transporte público, na irrigação das zonas secas do país, na construção de casas financiadas pelos bancos com prestações compatíveis com o rendimento familiar, na canalização de água e energia elétrica domiciliar. Não teve tempo para corrigir todas as maldades provocadas por governantes de famílias oligárquicas que há 300 anos impediram o desenvolvimento de uma nação rica e povoada por bons cidadãos, que são escravisados pelos impérios colonizadores e recolhem as riquezas nos bancos privados.

O mundo inteiro tem sido vitimado pela ambição de uma elite poderosa que impōe as injustiças do sistema capitalista. Diante dos êxitos alcançados por Lula e outros heróis mundiais, organizaram uma sabotagem financeira para destroçar os países que constroem a sua soberania por processoa históricos inspirados no modelo que as revoluçôes socialistas de mostraram ser possível uma alternativa ao sistema capitalista no século vinte. Assim ocorre com Cuba e Venezuela, para só mencionar os mais próximos.

Nessas tres semanas, a partir de hoje dia 8 de Outubro, temos de despertar todos os eleitores do Brasil para a responsabilidade de conduzirem a pátria ao lado certo da História com o voto na democracia. Não desanimem, acreditem no poder de um povo unido consciente da luta que obrigará o governo a cumprir um projeto de desenvolvimento do povo e da produção nacional para reter as riquesas e afirmar a soberania perante o mundo, de um Brasil progressista!

Zillah Branco

sábado, 6 de outubro de 2018

Publicado em O Lado Oculto

AS ELITES CAPITALISTAS ENGENDRAM O FASCISMO NO MUNDO

 2018-10-05

Michel Temer (à direita) abriu o caminho para a ameaça fascista de Bolsonaro com o golpe de 2016

Zillah Branco, especial para O Lado Oculto
O sistema capitalista em ebulição expele uma nata que recobre a sua história com o que há de mais podre: a sua elite política. Mesmo os que sofrem directamente a opressão dos Estados Unidos lamentam que aquele povo pioneiro onde se fundiram várias nacionalidades; que já possuiu invejável condição de vida, atraindo um fluxo emigratório que transportou conhecimentos e capacidade produtiva adquirido em países mais pobres; que digeriu problemas de racismo e escravidão, gerando poderoso movimento negro e verdadeiros democratas com destacados cientistas, artistas, líderes sociais - tenha hoje como presidente um execrável Trump. O mesmo poderemos dizer de outros povos, como o francês, o inglês, que seguem de joelhos o mesmo caminho neoliberal e deformam a cultura dos seus habitantes com os media enlatados.
Ao contrário, os governos progressistas que lutam pela independência das suas nações e pelo desenvolvimento dos seus povos, constroem alternativas mesmo sob os constrangimentos e agressões impostos pelo poder capitalista. Estes são presididos por gente da sua gente, formada com os valores pátrios, como Nicolas Maduro na Venezuela, Evo Morales na Bolívia, Miguel Dias Canel em Cuba, e tantos outros que revelam coragem e respeito pela história que ajudam a construir, como Lula fez no Brasil. Pessoas confiáveis humanamente, que lembram heróis de outros tempos, íntegros, honestos, inteligentes, audazes, com carácter. Exibem valores que desapareceram das cartilhas capitalistas nas quais o "esperto", o "mau", o "fingido", o "prepotente" são os modelos a serem seguidos pelas novas gerações.
No caso do Brasil, o mundo de pensamento livre lamenta mais ainda por ver o povo que teve Lula estar agora sob o governo do insignificante Temer, difícil até de olhar a triste figura, boçal, pérfida, mesquinha, uma nódoa. Que contraste com o que Lula criou! Da alegria, do entusiasmo vivido, da confiança no futuro mergulhámos no lodo putrefacto dos vendilhões da Pátria. Como os paises que foram invadidos por terroristas fardados ou não, os líderes populares e de partidos de esquerda foram também sendo gradualmente assassinados. Contam-se aos milhares os que o Brasil perdeu pelas armas de jagunços civis ou fardados. O agressor escolheu com pinça os que estavam na luta, como Marielle, mas também jovens e crianças pobres, mulheres indefesas, camponoses heróicos. Foi selectiva a ação assassina. É contra os que trabalham para viver e sustentar seus filhos, contra os que estudam para melhor protegerem a natureza e os direitos humanos, contra os que enfrentam a agressão para proteger os indefesos.
Para atingir a maioria com a sua peçonha, Temer e a sua clique destruíram carreiras universitárias, institutos científicos, assistência médica e social; acabaram com a Justiça institucionalizada, corromperam sectores actuantes no Estado, envenenaram a informação social, venderam ao preço da chuva as riquezas nacionais. O fruto foi engendrar o fascismo que se atrelou aos remanescentes da ditadura. A ameaça de crimes e violência generalizada transformou a sociedade num campo minado.
O papel do fascismo mediático

Foram longe demais, empolgados com a imagem que o seu espelho da vaidade reflectia. Infelizmente casaram com a deformação que há décadas o fascismo midiático preparou e hoje assusta os mal informados que, por medo e ignorância, acreditam nas informações mentirosas que a TV e jornais repetem milhões de vezes. Mas surgem novas formas de oposição, como a das mulheres que descobrem que a raiz do machismo castrador está no nazismo; dos estudantes que querem conhecer a verdade científica e humanista e exigem universidades livres; das várias etnias, ao descobrirem que os preconceitos vêm da elite egoísta que defende o seu ouro roubado; da gente pobre que não quer pagar as dívidas feitas pelos ricos egoístas. Torna-se mais claro para todo o planeta que a história sempre resultou do confronto entre a elite exploradora e os trabalhadores lutadores.
Nascem diversos grupos de esquerda mais radicais, mais cristãos, mais intelectuais ou menos racionalistas, que na hora de escolher o governo capaz de vencer o candidato fascista - que carrega a ditadura militar como força antipopular, anti-humana - escolhe o representante de uma esquerda unida que fará alianças com os diferentes grupos populares e sindicalistas para traçar o caminho governamental; mas não com a direita, que só pensa no poder financeiro. Uma esquerda unida, que depois poderá propor parcerias aos que desenvolvem a produção e investem nos programas nacionais, mesmo que ideologicamente sejam ainda reaccionários. A dinâmica de uma nova sociedade onde o povo participa junto ao poder político há-de vencer as oposições de ricos contra pobres, tornando o desenvolvimento nacional a única meta patriótica.
A consciência das mulheres deu um passo histórico na participação política. Ela é bela, ela é mãe, ela ama e defende os seu, ela estuda, ela enfrenta, ela vence acompanhada por quem tiver estatura para ser companheiro na luta diária. Não há Temer, ou Fux, ou um rei, ou um fascista que ela não vença. Ela é o simbolo da Justiça, da República, da Pátria!
O mundo precisa urgentemente de valores éticos, solidariedade, fraternidade para ser organizado com liberdade, para usufruir de todas as diferenças positivas da humanidade. Os virus destruidores devem ser tratados medicamente para poderem ser eliminadas as suas patologias. O que está em causa não é o mercado ou o capital, é a gente que quer viver e construir um planeta com paz.

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

A vergonha de ficar do lado errado da História


Publicado no Portal Vermelho
05/10/2018

Pense bem antes de escolher os seus candidatos a Presidente e Vice. Está em causa a situação do Brasil, o seu país, a sua Pátria, os mais de 200 milhões de mulheres e homens, de todas as idades, de todas as etnias, com todas as diferenças que enriquecem a humanidade. Você vai somar com os que lutam por um futuro melhor para todos, ou com os egoistas que acumulam as moedas para parecerem fortes e poderem escravisar os mais pobres?

O mundo capitalista está em pandarecos, sem valores éticos, sem justiça, sem saúde e ensino gratuitos, sem previdência para garantir uma velhice tranquila. Trump rosna alto mas não tem coragem de morder quando percebe que a China - o maior país em desenvolvimento no mundo - e a Russia - que herdou um conhecimento militar, tecnológica, de organização do Estado altamente desenvolvido durante o período revolucionário - estão construindo um caminho para o socialismo que incorpora as conquistas do capitalismo na sua fase democrática. Os fascistas de hoje imitam Hitler por desespero, pelo que tinha de monstruoso e violento, como artista de cinema rastaquera, mas esquecem que ele foi eliminado pelo exército vermelho e pelos povos europeus que fizeram a resistência.

De que lado você ficará? O que dirá ao seu filho quando ele quiser saber de que valores precisa para ser um adulto respeitável?

Nelson Mandela, quando foi preso na Africa do Sul e condenado a mais de 20 anos de trabalho forçado por exercer a resistência em defesa da soberania do seu povo, descobriu que "era um símbolo da justiça no tribunal opressor, o representante dos nobres ideais da liberdade, da justiça e democracia numa sociedade que desonrava essas virtudes. Compreendi naquele momento que podia prosseguir a luta dentro da fortaleza do inimigo" (Caminho da Liberdade). Foi assim que se sentiu Lula, quando se deixou sequestrar pela polícia federal. Viu-se fortalecido no seu papel de herói do seu povo, ganhou forças para suportar essa traição do sistema judicial corrompido, ficou abraçado pelos trabalhadores do campo e das cidades, pelos intelectuais nacionais e estrangeiros. A luz que o ilumina vence limites de classe e fronteiras entre nações. Tornou-se o maior símbolo da Paz que o Prêmio Nobel terá de reconhecer!

E você, que está livre, e deve votar para oferecer o seu apoio cidadão? De que lado ficará? Não se trata de uma loteria ou da côr da roupa, é a confirmação do seu valor perante todos, da sua família à toda a humanidade que luta pela sobrevivência e a soberania nacional, perante a sua consciência.

O Brasil tem só dois caminhos: voltar a crescer, corrigindo os erros das nefastas alianças interesseiras, reconstruir os caminhos de apoio às populações mais pobres, à criação de caminhos para desenvolver a educação levando os mais talentosos à formação superior por meio de bolsas de estudo, trazer o atendimento médico a todos os cidadãos, construir habitações condignas para quem está desalojado, reduzir os privilégios dos "tios patinhas e patricinhas" para dar condições de vida aos 200 milhões de brasileiros que trabalham mal remunerados, recuperar as riquezas que o governo Temer ofereceu de bandeja ao imperialismo; ou dobrar mais ainda a espinha, como Temer "et catærva" faz sem esforço (já que gosta de servir ao dono).

O futuro depende de cada voto bem pensado e assumido com consciência de cidadania. Isto significa que você terá de pensar que é responsável pelo caminho do seu próprio desenvolvimento e o da maioria dos que trabalham ou estudam ao seu lado, das crianças e idosos que já viu sofrendo carências, dos que ainda buscam a comida no lixo, dos que diante da violência procuram o suicídio. Do seu voto depende a volta das empresas nacionais - Petrobrás, Embraer, institutos de formação científica etc - (vendidos na feira das vaidades de Temer e seus 40 amigos) para compor o patrimônio dos brasileiros.

Do seu voto depende a realização de referendos populares para restaurar a democracia e aprofundar a organização do Estado "sem portas do cavalo" para funcionários privilegiados perpétuamente, com a recuperação da Justiça, cega mas honrada.

Do seu voto depende o brilho internacional do Brasil alcançado sob a Presidência de Lula que uniu países vizinhos na constituição de uma nova força Latino Americana para vencer centenas de anos da dominação colonial, do desprezo internacional, do roubo permanente pelos ladrões imperiais.

Do seu voto depende o fim da escravidão que assola os paises espezinhados pelo neo-liberalismo que Pinochet introduziu na América do Sul. Compreenda bem o seu papel na História e levante a cabeça porque o futuro depende da coragem de cada um.

Zillah Branco

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

A Humanidade reafirma os seu valores


28/09/18 Portal Vermelho

A humanidade hoje renasce da lama asfixiante do capital, como quando conheceu a ferocidade hedionda e criminosos oportunistas produzidos pelo nazismo na segunda grande guerra. Desperta em alguns, heróicas iniciativas para recuperar os princípios éticos e valores humanistas entorpecidos pela novela aburguesada criada pelo sistema capitalista que tem por meta criar uma torre de dinheiro roubado.

Os trabalhadores das empresas multinacionais na Europa aprendem e se solidarizam com seu colegas de nações mais pobres a fazerem greve exigindo os seus direitos nos países onde semelante "voz do povo" não se ouvia. Até na Alemanha, que impera na União Europeia, os funcionários da Ryanair entraram em greve desorganizando a vida dos "migrantes engravatados" que usam aviões para trabalharem todas as semanas.

No Brasil, como por toda América Latina, depois de conhecidos os efeitos nefastos do neocapitalismo, mulheres e homens, de várias etnias e diferentes credos, abandonam as pequenas ambições egocêntricas e unem esforços para impedir que os repetidores do holocausto nazista voltem a se associar aos que "apenas" recusam perder o conforto luxuoso que os separa  das populações trabalhadoras. Uma coisa é ser rico, outra é ser assassino. A direita golpista, que teme a perda do poder para o império fascista, tenta lavar as mãos e a alma ficando, como sempre, no meio do caminho, em cima do muro - um pé cá outro lá, "por cima da rapadura". São os "aliados" de antes, que falam em democracia pensando em como enganar os que são pobres ignorantes, os mesmos que estimularam a invasão da Rússia revolucionária e a destruição do socialismo. Os fariseus de sempre.

São esses covardes que levantaram, através da mídia especialista em "faque news", uma campanha contra as "ditaduras de direita, com Bolsonaro, e de esquerda, com Haddad e Manuela". Exactamente como fizeram os "aliados" durante a segunda guerra, comparando Hitler, defensor do capitalismo e sua elite poderosa, e Stalin que construia o estado socialista com o apoio do seu povo. Naquela época divulgaram as levas de russos que povoaram a Sibéria russa, esquecendo o expurgo dos camponeses e pobres da Inglaterra, França e demais países colonizadores, para as terras do Artico ou os deserto da África para o povoamento das terras alheias. Assim emocionaram um público desinformado omitindo a clara oposição de princípios entre um nazista que destrói o caminho democrático e defende uma elite exploradora, e um revolucionário autoritário que defende a liberdade do povo contra os ataques de todos os oportunistas "aliados".

De jogadores de futebol croatas e seu lider treinador, vitoriosos nos Jogos Mundiais em Moscovo, levanta-se o grito de protesto contra a ignomínia dos atuais políticos que governam um país onde se conheceu a qualidade do sistema socialista e agora desagrega-se na miséria. Oferecem os 23  milhões de dólares conquistados pelo seu valor no desporto para salvar as crianças que hoje morrem na Croácia capitalista amesquinhada. "Escrevo estas linhas por causa da difícil situação da Croácia. A Croácia é o país mais pobre da União Europeia, governado por pessoas más, por por membros de uma organização que já foi declarada criminosa. O povo foi conduzido ao abismo, à miséria, milhões de pessoas abandonaram a sua pátria nos últimos 20 anos", escreveu o treinador Ziatko Dalic.

Das Igrejas - que foram capazes de se unirem a uma só voz no Brasil -  surge a condenação da vergonhosa adesão ao candidado fascista por militantes imperialistas "neopentescostais" (os mesmos que promoveram o ato que enlameou o Parlamento para abrir caminho aos traidores da pátria no desempenho do papel desprezível de destruir, com um empeachment, um governo que arrastava penosamente o caminho de libertação popular introduzido por Lula, amarrado em alianças para agradar a ricos e médios oportunistas do capital).

Hoje, a partir da consciência do que é fundamental na luta, todos os grupos que combatem a exploração e os preconceitos - de género, de origem étnica, de opções pessoais na vida, de vulnerabilidade física por idade ou carências várias - e mesmo aqueles que divergem na formulação intelectual dos problemas que o povo enfrenta mas reconhecem que a luta tem só dois lados antagónicos, dos partidos de esquerda que mantêm debates históricos, da grande maioria dos que enfrentam o sofrimento da vida e percebem que outros ainda sofrem mais - criou-se a unidade dos brasileiros de bem!

E, neste final de campanha, surge a imagem de "Stedille é Lula, Haddad e Manuela" em um abraço que revoluciona o Brasil unindo os camponeses aos intelectuais e trabalhadores democráticos na luta em defesa da integridade nacional.

Afinal, a  gente boa e humanizada no Brasil é a maioria. O difícil é levar as informações corretas a todos eles e apagar as marcas medievais que produzem os medos, deixadas pela mídia rica e reacionária. A Europa está de olho e até torcendo para que vençam Haddad e Manuela, simbolos da unidade da esquerda, para fortalecer os que no mundo rejeitam o fascismo de Trump que também ameaça a estabilidade do velho continente.

Repete-se, em parte, a atitude dos "aliados" que precisaram do Exército Vermelho para derrotar Hitler, mas mantiveram a Guerra Fria até bloquear a Pátria do socialismo na década de 90. Não previram que a Revolução Russa deixaria as sementes que fortalecem os povos na luta pela sua emancipação. Assim é o movimento dialectico na História.

Zillah Branco


 

A Humanidade reafirma os seu valores


A humanidade hoje renasce da lama asfixiante do capital, como quando conheceu a ferocidade hedionda e criminosos oportunistas produzidos pelo nazismo na segunda grande guerra. Desperta em alguns, heróicas iniciativas para recuperar os princípios éticos e valores humanistas entorpecidos pela novela aburguesada criada pelo sistema capitalista que tem por meta criar uma torre de dinheiro roubado.

Os trabalhadores das empresas multinacionais na Europa aprendem e se solidarizam com seu colegas de nações mais pobres a fazerem greve exigindo os seus direitos nos países onde semelhante "voz do povo" não se ouvia. Até na Alemanha, que impera na União Europeia, os funcionários da Ryanair entraram em greve desorganizando a vida dos "migrantes engravatados" que usam aviões para trabalharem todas as semanas.

No Brasil, como por toda América Latina, depois de conhecidos os efeitos nefastos do neocapitalismo, mulheres e homens, de várias etnias e diferentes credos, abandonam as pequenas ambições egocêntricas e unem esforços para impedir que os repetidores do holocausto nazista voltem a se associar aos que "apenas" recusam perder o conforto luxuoso que os separa das populações trabalhadoras. Uma coisa é ser rico, outra é ser assassino. A direita golpista, que teme a perda do poder para o império fascista, tenta lavar as mãos e a alma ficando, como sempre, no meio do caminho, em cima do muro - um pé cá outro lá, "por cima da rapadura". São os "aliados" de antes, que falam em democracia pensando em como enganar os que são pobres ignorantes, os mesmos que estimularam a invasão da Rússia revolucionária e a destruição do socialismo. Os fariseus de sempre.

São esses covardes que levantaram, através da mídia especialista em "faque news", uma campanha contra as "ditaduras de direita, com Bolsonaro, e de esquerda, com Haddad e Manuela". Exatamente como fizeram os "aliados" durante a segunda guerra, comparando Hitler, defensor do capitalismo e sua elite poderosa, e Stalin que construía o estado socialista com o apoio do seu povo. Naquela época divulgaram as levas de russos que povoaram a Sibéria russa, esquecendo o expurgo dos camponeses e pobres da Inglaterra, França e demais países colonizadores, para as terras do Ártico ou os deserto da África para o povoamento das terras alheias. Assim emocionaram um público desinformado omitindo a clara oposição de princípios entre um nazista que destrói o caminho democrático e defende uma elite exploradora, e um revolucionário autoritário que defende a liberdade do povo contra os ataques de todos os oportunistas "aliados".

De jogadores de futebol croatas e seu lider treinador, vitoriosos nos Jogos Mundiais em Moscou, levanta-se o grito de protesto contra a ignomínia dos atuais políticos que governam um país onde se conheceu a qualidade do sistema socialista e agora desagrega-se na miséria. Oferecem os 23 milhões de dólares conquistados pelo seu valor no desporto para salvar as crianças que hoje morrem na Croácia capitalista amesquinhada. "Escrevo estas linhas por causa da difícil situação da Croácia. A Croácia é o país mais pobre da União Europeia, governado por pessoas más, por por membros de uma organização que já foi declarada criminosa. O povo foi conduzido ao abismo, à miséria, milhões de pessoas abandonaram a sua pátria nos últimos 20 anos", escreveu o treinador Ziatko Dalic.

Das Igrejas - que foram capazes de se unirem a uma só voz no Brasil - surge a condenação da vergonhosa adesão ao candidado fascista por militantes imperialistas "neopentescostais" (os mesmos que promoveram o ato que enlameou o Parlamento para abrir caminho aos traidores da pátria no desempenho do papel desprezível de destruir, com um empeachment, um governo que arrastava penosamente o caminho de libertação popular introduzido por Lula, amarrado em alianças para agradar a ricos e médios oportunistas do capital).

Hoje, a partir da consciência do que é fundamental na luta, todos os grupos que combatem a exploração e os preconceitos - de gênero, de origem étnica, de opções pessoais na vida, de vulnerabilidade física por idade ou carências várias - e mesmo aqueles que divergem na formulação intelectual dos problemas que o povo enfrenta mas reconhecem que a luta tem só dois lados antagônicos, dos partidos de esquerda que mantêm debates históricos, da grande maioria dos que enfrentam o sofrimento da vida e percebem que outros ainda sofrem mais - criou-se a unidade dos brasileiros de bem!

E, neste final de campanha, surge a imagem de "Stedille é Lula, Haddad e Manuela" em um abraço que revoluciona o Brasil unindo os camponeses aos intelectuais e trabalhadores democráticos na luta em defesa da integridade nacional.

Afinal, a gente boa e humanizada no Brasil é a maioria. O difícil é levar as informações corretas a todos eles e apagar as marcas medievais que produzem os medos, deixadas pela mídia rica e reacionária. A Europa está de olho e até torcendo para que vençam Haddad e Manuela,símbolos da unidade da esquerda, para fortalecer os que no mundo rejeitam o fascismo de Trump que também ameaça a estabilidade do velho continente.

Repete-se, em parte, a atitude dos "aliados" que precisaram do Exército Vermelho para derrotar Hitler, mas mantiveram a Guerra Fria até bloquear a Pátria do socialismo na década de 90. Não previram que a Revolução Russa deixaria as sementes que fortalecem os povos na luta pela sua emancipação. Assim é o movimento dialectico na História.
* Cientista Social, consultora do Cebrapaz. Tem experiência de vida e trabalho no Chile, Portugal e Cabo Verde.









 Brasil luta pela independência



O Brasil vive momentos de profundas mudanças. Supera as heranças de um passado colonial escravagista e de largo período de domínio estrangeiro. Restou a oligarquia rural que colou no poder nacional com o controle dos agentes financeiros e fortes vínculos, nas áreas industriais e de serviços, com o mercado externo ao serviço do imperialismo.

Com a criação de um Estado republicano e "democrático", a velha oligarquia agrária, apossou-se da República e passou a alternar seus representantes nos sucessivos Governos sempre submissa aos Estados Unidos. Getúlio introduziu o caminho desenvolvimentista criando empresas estatais e a legislação do trabalho. Foi levado ao suicídio por não vencer a pressão externa e da elite oligárquica. Veio o golpe militar com apoio imperialista.

A nascente burguesia que aprendeu a distinguir desenvolvimento de crescimento com a CEPAL(), na defesa nacional contra a ditadura aliou-se aos movimentos populares e lutou pelas suas causas democráticas: liberdade, escola pública, saúde universal, previdência social, legislação trabalhista. A onda democrática minou o poder militar. Do seu partido único ARENA (Aliança Renovadora Nacional) saltou Sarney para o MDB (Movimento Democrático Brasileiro) da oposição e foi vice de Tancredo Neves na primeira eleição democrática. Tancredo morreu antes da posse deixando o oligárca Sarney como Presidente.

Ulisses Guimarães defendia o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) das tendências neo-capitalistas que cindiram o partido gerando o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira). Morreu em acidente de avioneta em 1992.

Surge o PT(Partido dos Trabalhadores) como polo de atração para a esquerda desenvolvimentista. Lula trouxe para a luta eleitoral o povo alheio à política elitista. Abriu caminho para a inclusão de todos na vida cidadã e apoiou o empresariado capaz de desenvolver os recursos industriais e o país a nível internacional. E conseguiu. Reduziu os índices de miséria, e promoveu a unidade continental e com outros países. Feriu os interesses hegemônicos imperialistas, representados pelo PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira)

A elite oligárquica apoiante do PT minou o poder através do controle dos mecanismos financeiros e comerciais, submissa ao mercado global. Impôs o agro-negócio latifundista, as multinacionais sobrepostas à indústria nacional, entregou as instituições sociais do Estado aos privados, destroçou o sistema judiciário e deu novo golpe.

O passo a ser dado agora para eleger novo Governo é a união das esquerdas em defesa de uma plataforma para dar voz ao povo, recuperar as riquezas minerais e geopolíticas alienadas pelos golpistas, cortar o caminho do neo-liberalismo oposto ao desenvolvimento das forças produtivas e à soberania nacional, sem cair nas armadilhas das alianças espúrias.

Zillah Branco

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Globalização e suas contradições


  1. Artigo publicado em OLado Oculto 


O Imperialismo expandiu seus tentáculos amarrados ao capital em processo globalizante. A certeza de que "compravam a consciência planetária com moedas" fez esquecer que os mais ávidos roubam até a própria mãe e que os mais humildes precisam comer para sobreviver. Na verdade, mesmo vestidos de social-democracia anti-revolucionária embarcaram na caravela do neo-capitalismo que saiu recriando a luta de classes com novas feições. De que lado estamos?

Em lugar de estruturarem os Estados para atender às necessidades de desenvolvimento dos seres humanos, criaram cofres de acordo com os interesses bancários que estabelecem um teto exíguo para a educação, a cultura, a saúde, a segurança social, a habitação e os transportes; e as empresas seguiram o mesmo modelo criando cofrinhos com teto para os salários dos trabalhadores e cofre maior para o patronato.

As manifestações de trabalhadores se sucedem exigindo aumentos salariais, estabilidade no emprego, descongelamento de salários, promoção por carreira; e os governantes, com ar compungido dizem "não há dinheiro". Mas todos acompanham os mil processos por corrupção que envolvem patrões e intermediários do sistema financeiro, renovados recheios aos bancos falidos, festas para centenas de basbaques à venda, festas de baixo valor artístico e cultural e altíssimo som, tudo para "alegrar uma humanidade tratada como robôs débeis mentais". Fora Temer, que pretendeu brilhar mais que outros governantes congelando por vinte anos as despesas sociais, sem pensar que passava da conta até mesmo para os seus colegas europeus.

Então surge um Trump que repete discursos da ku-klux-klan e fala grosso como Hitler para  invadir países ricos em petróleo e civilização antiga sem utilizar os seus exércitos agora substituidos por grupos terroristas formados e armados pelos EU e Israel. Foi demais, para quem se preocupa em ser, ou parecer, social-democrata. O mundo perdeu o pé, escorregou nos excessos da austeridade recomendada pelo FMI; a União Europeia tendo herdado o fluxo de fugitivos das invasões da OTAN e as grosserias do parceiro Trump que se pensa o chefe do planeta, enfrentou a saida da Inglaterra da família europeia e revelou as contradições insuperáveis entre acumulação de capital e desenvolvimento produtivo. E como fica a questão dos direitos humanos e os deveres da ONU?

Mas os povos saíram do efeito das drogas transmitidas pela mídia e enxergaram a raiz dos seus males: o imperialismo e o neo-capitalismo. Com a recuperação da capacidade de raciocínio humano resolveram protestar e mudar os governos redefinindo as funções dos Estados. São duas classes: as elites poderosas e os que trabalham para sobreviver.

Resta o problema dos que haviam entrado no caminho dos terroristas e só querem vingança. Mas a maioria respira fundo, assume a responsabilidade que deveria ser dos governantes incompetentes e mal formados e traçam projetos de organização das sociedades e da economia. Afinal a História sempre foi empurrada pelos povos.

Assim está o Brasil nesta campanha eleitoral (que chama a atenção mundial por ter sequestrado o ex-Presidente Lula que tem a maioria dos votos dos brasileiros, e a ultra direita terrorista que aniquilou o centro-direita tradicional) e estão os paises aparentemente bem comportados na Europa (onde os partidos nazistas florescem) e com programas de governo neo-liberais sob a tutela Imperialista.

A corrida dos candidatos já tem deixado alguns pelo caminho que terão de superar a vaidade e escolher a classe que defende a Pátria ou a entrega ao Império que a quer escravizada. O programa que cada candidato defende é mais importante que a sua pessoa, pois o povo está organizado em dezenas de grupos que lutam pela sua emancipação social e o direito a participar na condução da política nacional. A esquerda já deu o primeiro passo com a aliança entre o Partido Comunista do Brasil e o Partido dos Trabalhadores.

A direita radical carrega os militares golpistas na sua legenda. É uma séria ameaça do retorno da ditadura que estava aguardando o momento para voltar.

As análises de várias empresas especializadas em prévias eleitorais têm previsto cerca de 20% para a direita de Bolsonaro agora sendo alcançado e superado por Haddad/Manu depois de Lula ter sido impedido de receber os seus 40% de votos. Seguem Alkymin com 10%, logo abaixo Ciro Gomes, depois Marina e outros com menos. Temos apenas duas
semanas para definir o futuro do Brasil. A situação é clara para quem tem consciência cidadã.


Zillah Branco

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

O golpe escraviza o Brasil e mata mais que uma guerra!


Artigo publicado em O Lado Oculto

Lula tornou-se o símbolo de um processo que mostrou ao povo brasileiro ser possível libertar-se das imposições das potências hegemônicas, assumir um papel positivo no cenário internacional e iniciar uma série de transformações sociais que enfrentariam séculos de exclusão e miséria. A Bolsa Família lançada pelo seu governo é um programa divulgado pela ONU e adotado nos países onde a miséria mata mais que as guerras.

Ao analisarmos o legado de Lula, de 2003 a 2016, quando Temer abriu as portas do Brasil à destruição avassaladora, vemos que os prejuizos económicos (com a quebra das iniciativas de produção e emprego e o congelamento por 20 anos dos orçamentos para o setor social), financeiros (com o confisco, pelos bancos, das casas de moradia financiadas a crédito aos trabalhadores agora desempregados e a venda das empresas nacionais), do desenvolvimento cultural (com o corte nos orçamentos das universidades e das bolsas de estudo nos vários níveis do ensino, e das instituições públicas culturais), do desenvolvimento da estrutura de produção do Estado (com o desmonte para privatização da construção naval, da Embraer, da Petrobrás, e de mais de 7 mil obras públicas), da atenção à saùde, da quebra da Bolsa Família e das múltiplas iniciativas para fomentar a pequena empresa ou cooperativa de produção, o corte de auxílios e aposentadoria por invalidez, com a destruição não só do sistema judiciário que promovia a inclusão de milhões de brasileiros nos benefícios da cidadania mas da própria Justiça Social que era a base do desenvolvimento humano do povo brasileiro, vemos que o aumento da mortalidade infantil e materna, de jovens abandonados aos bandos criminosos, de familias deixadas à fome, de suicídios e desvarios, de enfermos sem tratamentos, tende a ser maior do que em guerras e prolongam-se por anos afora reduzindo um país potencialmente rico a escombros. As estatísticas registaram 63 mil homicidios por ano.

O crime cometido pelos golpistas ultrapassa em muito a de agressores armados que invadem um território. É hediondo.

A ONU dá o testemunho de que o Brasil conseguira, com o combate à miséria, retirar 42 milhões de pessoas da fome, mas que depois do golpe, em 2018, já perdeu esta conquista. A queda da mortalidade infantil que baixou para a taxa de 14,1 óbitos por mil nascidos e a redução em 25% dos óbitos maternos em relação a 2001, que aproximou o Brasil das condições de países desenvolvidos, desvaneceu-se em meio às multiplas catástrofes económicas e sociais.

O desemprego, que entre 2003 e 2004 passou de 12% para 4,5% acompanhado de melhor distribuição de renda com o aumento do salário mínimo em 71,5% produziram o aumento de consumo dos produtos essenciais que animou a indústria e a comercialização de produtos básicos e de alimentos. Com o desmonte das conquistas sociais, 23,3 milhões de cidadãos (11,2% da população) foram desempregados com graves repercussões em todo o sistema económico nacional e a multiplicação de confiscos de casas e bens pelos bancos credores que se beneficiaram.

Evidentemente, o aumento da miséria e a perda de direitos trabalhistas e sociais que todo o povo experimentou, prejudicou o equilíbrio psíquico que derivava da alegria e da esperança conhecidas. A violência - instigada pelos grupos criminosos alimentados pelo tráfico de drogas organizado a nível imperial e pelo comportamento terrorista dos actuais repressores formados pela CIA - encontra solo fértil na decepção com os atuais governantes e no ódio aos traidores do povo e da pátria. É o que espera a direita fascista representada por Bolsonaro.

Os brasileiros sentem-se hostilizados como seres humanos, diante do desaparecimento de recursos de Justiça institucionalizada e sob um governo ilegal que atropela a Constituição e vende a riqueza nacional ao preço da chuva para agradar subalternamente os patrões estrangeiros liderados por Trump. Como se assistissem impotentes, de um momento para outro, a um assalto à sua casa por fascínoras e delinquentes.

Tentaremos apenas enunciar as áreas que com os programas de Lula transformaram o atraso e a miséria de um Brasil submetido a um sistema de exploração do capital estrangeiro em uma pátria soberana para o seu povo trabalhador, comparando com os efeitos da destruição imperdoavel do golpe perpetrado por uma direita fascista que corroeu o Estado de Direito e vendeu ao desbarato a riquesa nacional. Analisar cada uma delas daria um ou vários livros.

Estamos diante de uma experiência de sucesso desde o primeiro ano, 2003, em que foram aplicadas políticas que valorizam o Trabalho contra a exploracão do Capital, desenvolvem uma Nação soberana frente ao Imperialismo escravizador privilegia a maioria dos cidadãos face a uma elite excludente responsável pelos preconceitos contra as mulheres, as etnias, os cidadãos vitimados por deficiências, as crianças escravizadas, os jovens sujeitos a uma orientação perniciosa da média que impinge os modelos de robôs ducteis aos comandos expoliadores. Caminhava-se na contrução de uma sociedade éticamente limpa na qual a igualdade promove a fraternidade.

A riqueza natural do território permitiu a aplicação de projectos como o fortalecimento da Petrobrás com a descoberta do gigantesco campo de petróleo, em 2007; o aproveitamento do Aquífero Guaraní com 840 mil km2 no subsolo brasileiro; o fortalecimento da Eletrobrás; o crescimento do BNDES para financiar pequenas e médias empresas e projetos de interesse social (como o da Casa Própria) com juros possíveis aos trabalhadores; a implementação de empresas voltadas para a defesa nacional como a EMBRAER na construção de aviões e a indústria naval com milhares de empregos; a cooperação com os demais países em desenvolvimento na América Latina com organismos como o MERCOSUL, a UNASUL a CELAC, incentivou a comercialização e planos de produção de alimentos e produtos industriais além de estreitar os laços de solidaredade, intercâmbio cultural e defesa da paz; organizações multilaterais, com África, Ásia e Oriente Médio, a participação no BRICS; desenvolvimento do serviço universal de saúde - SUS - com os programas "Mais Médicos" e "Farmácia Popular"; levar água e luz elétrica a todas as habitações; ampliação do sistema de ensino a partir das creches até o nível universitário com a criação de 18 Universidades Federais e 500 Escolas Tecnicas por todo o território, e promoção do intercâmbio internacional; a aplicação da Lei de Cotas para vencer os preconceitos que excluiam as vítimas de preconceitos sociais, e distribuição de bolsas para alunos das escolas públicas com bom aproveitamento e dificuldades financeiras.

O ódio dos golpistas que destruiram o sistema judiciário para sequestrarem o ex-Presidente Lula impedindo a sua reeleição exigida por mais de 40% dos eleitores tem explicação nas duas vertentes por ele criadas: o desenvolvimento social democrático que permite a inclusão de todos os brasileiros nos benefícios de cidadania garantidos por um Estado de Direito e o fortalecimento de uma Nação independente e soberana que não se submete ao plano geopolítico de hegemonia na região latino-americana, do imperialismo liderado pelos Estados Unidos.

Zillah Branco

Processo de conscientização no Brasil

Artigo publicado em O Lado Oculto


A sustentação do golpe de Temer "et cataerva" em 2016, na pressa de vender o patrimonio nacional ao desbarato, retirar os benefícios sociais criados por Lula devolvendo à Fome milhões de famílias brasileiras, engessando a Justiça nas mãos de juizes autoritários, destruindo as leis trabalhistas e previdenciárias, abrindo as portas dos serviços públicos às privatizações, minando as iniciativas de formação universitária e desenvolvimento das ciências, deixou visível a face podre das alianças políticas com uma direita enrustida herdeira da ditadura de 64 subordinada ao imperialismo norte-americano.

Se, por um lado propiciou a conscientização da esquerda e dos movimentos sociais fortalecidos por 13 anos de conquistas cidadãs - os Sem Terra nos campos, os Sem Teto nas cidades, os que combatem os preconceitos de género, de etnias, de opção sexual, de direitos de cidadania, por todo o território imenso do Brasil - também abalou os setores da burguesia conservadora com tendências à direita. Despontou uma direita neofascista, radical, que fala em nacionalismo apregoando a prepotência civil e militar de estupradores e torturadores tão bem conhecidas em toda América Latina quando amordaçada por ditadores, para levantar uma bandeira de rebeldia e desmandos capaz de atrair jovens perdidos no caos económico e social que deriva da crise sistémica e dos meticulosos programas mediáticos que (de)formam a opinião pública. As sondagens eleitorais dão a Bolsonaro 20% dos votos.  Este perigo político e humano alertou a direita conservadora que sempre viveu "em berço explêndido" resolvendo os probleminhas da elite como se fossem os de todo o povo.

O panorama eleitoral para a direita estreitou-se face a esta opção terrorista neo-fascista, e apenas conseguiu a figura controversa de Alckmin, ex-governador de São Paulo, incapaz de defender os direitos sociais e a soberania nacional, um "bate-orelhas" às ordens dos Estados Unidos com ar de boa pessoa e apoio mediático. As sondagens eleitorais indicam de 6 a 9% para o "picolé de chuchu", como ficou conhecido. Entre tais opções, os conservadores com convicções patrióticas e de moral burguesa, repensam os problemas do caminho neo-liberal que levaram o Brasil à dependência financeira e à destruição das indústrias de base e infra-estruturas, garantias de desenvolvimento com autonomia.

Esta direita nacionalista e desenvolvimentista começa a ver em Ciro Gomes um candidato mais coerente com eles, "apesar de ser de esquerda". Outra seria Marina Silva que defende o tema da ecologia com grandes elogios aos agrários que "começam a substituir os tóxicos cancerígenos por produtos que respeitam a natureza" (uma conversa chocha que não convenceu antes, quando foi candidata à Presidência em substituição a Eduardo Campos, do Partido Socialista Brasileiro, que morreu na queda da avionete).

Diante deste quadro da direita fraturada, a esquerda brasileira alcançou uma primeira vitória histórica: a unidade de vários pré-candidatos de partidos de esquerda e movimentos populares e sindicatos, na Frente Ampla, em torno de um objetivo programa de governo. PT e PCdoB formaram uma chapa com Lula para Presidente e Manuela D'Avila para Vice ou, se o poder judiciário impedir a participação de Lula (como determina o Pacto Internacional assinado com a ONU em 1985 e ratificado pelo Congresso em 1992), será Fernando Hadad o seu representante na candidatura. Mesmo preso, as sondagens indicam  40% o apoio eleitoral a Lula.

Zillah Branco



terça-feira, 14 de agosto de 2018

A Vitória da Unidade

A vitória da unidade


Vencer no primeiro turno é o alvo primordial de uma campanha histórica pela unidade em defesa dos trabalhadores e suas famílias e do Brasil pujante que Lula levantou. Temos assistido a um processo revolucionário que abriu as portas à participação massiva do povo brasileiro e ao esclarecimento de milhões de cidadãos que foram massacrados pela cultura de pacotilha difundida pela mídia reacionária com as teorias oligárquicas, mas com a esquerda depois de 2003 conheceram os seus direitos de cidadania. O povo descobriu que merece respeito e, unido, tem força para traçar um futuro de dignidade e saúde para todos.

Ainda restam, em alguns políticos, vaidades pessoais e sonhos de aliança com simpáticas figuras do antigamente que usaram e abusaram do poder no século 20. As ilusões levam seu tempo para os que se mantêm alheios ao caminho histórico. Mas, assim como o século terminou, a página da submissão ao imperialismo findou. O lixo mantido por excrescências ditatoriais que a Constituição ainda mantém apesar de introduzir devagar os princípios da democracia, foi revelado pelo golpe como o virus a ser combatido para higienizar a política nacional.

Este momento vivido pelos que lutam no Brasil pela unidade com confiança na dignidade dos que percebem que a fome eliminada pela Bolsa Família, o analfabetismo que negava as condições de cidadania, o machismo que reduzia a força das mulheres, o racismo que segregava as etnias, os preconceitos que impediam a participação democrática na vida nacional, o poder dos ricos que distanciava a maioria dos brasileiros do usofruto das riquezas nacionais, o modelo imperial que tolhia a participação de todo o povo na condução do projecto de desenvolvimento nacional, hoje está sendo acompanhado com admiração pelo mundo inteiro como um sol que ilumina o caminho da liberdade para a humanidade.

Dentro e fora do Brasil, diante do retrógrado caminho imposto pelo mercado "livre" - tornado Deus para as elites do sistema capitalista falido - ocorre uma mudança da consciência dos seres que pensam e querem viver sem amarras. A unidade das esquerdas, assim como o encontro das religiões, permite compreender que há uma escala de prioridades na construção de sociedades saudáveis para o ser humano: a começar nas eleições dos órgão governativos - Presidência, Senado, Câmaras - e na definição do sistema judicial, policial e administrativo do Estado de modo a seguir um único plano de desenvolvimento do país independente e de sua população soberana. Alcançada esta vitória fundamental ficará mais fácil modelar os passos a serem seguidos para a consolidação de um caminho seguro que contribua para o equilíbrio internacional e a Paz.

Bem dizia Jack London no início do século 20, no livro "O povo do Abismo", que "a miséria mata mais que as guerras"...( ) "Na Inglaterra , todos os anos, 500.000 homens, mulheres e crianças, são mortos, ficam inválidos ou são atingidos pelas doenças e estropiados para o resto dos seus dias". Esta é a decorrência da miséria em qualquer país. Vamos permitir que o Brasil, onde 40 milhões de brasileros foram salvos da miséria voltem para ela? A ONU avisa que o Brasil volta para o mapa de Fome

Hoje assistimos a este tipo de matança, pela miséria, vendo os refugiados das guerras provocadas pelo imperialismo circulando como fantasmas em busca de apoio. Temer consegue condenar os milhões de famílias que haviam saido da Fome a voltar para ela. Assim colabora com a política de extermínio que Trump anuncia com as ameaças de guerra e de criação de poder militar de terra, mar, ar e no espaço com naves.

É urgente abrir novo horizonte para recuperar o Brasil elegendo os que demonstram coragem na defesa do povo e da dignidade da Pátria brasileira.

Zillah Branco

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

A verdade da História ilumina a mídia alternativa!




Uma revolução está ocorrendo na interpretação da História no Brasil através dos videos da mídia alternativa que cresce, nascida para suprir a carência de informações verdadeiras sobre a vida dos brasileiros esmagados pelo golpe de Temer e sua gangue e pelos "fake news" da mídia oficial. Troquem a TV pelo computador e aproveitem a oportunidade de fazer um curso de nível superior dado em linguagem popular, que corrige carências, ignorâncias (que ainda habitam as tradicionais escolas), superam preconceitos herdados do domínio elitista da cultura, explicam como as instituições são destruidas quando se desligam da dinâmica que promove o desenvolvimento social, abrem os vários caminhos para conhecermos a realidade da vida e do pensamento dos mais de 200 milhões de brasileiros, levanta a pesada cortina opressiva que desde 1964 cobriu as leis e as funções do Estado tornando-o um rochedo empedernido que tapa o sol da liberdade e da soberania nacional.

O termo "revolução" - tão mal aplicado à ditadura militar (que se encolheu para vestir a fantasia da democracia), deixou uma semente que foi alargada pelo povo quaando elegeu Lula em 2002. Agora volta a ter lugar na linguagem dos que lutam pacífica e alegremente para eliminar os tóxicos mantidos por uma direita sorrateira que mantinha o ar inócuo de Centrão, sempre sorrindo cavalheirescamente para um lado ou outro, até destruir totalmente o Parlamento como representante do povo. A revolução está na consciência brasileira da realidade, e na possibilidade de transformar o destino cinzento traçado por Temer e os desajuizados donos dos poderes anti-democráticos que se consideram eternos.

Eterna é a necessidade do povo trabalhador de conquistar os seus direitos, eterna é a coragem dos que lutam para superar diferenças ocasionais e criar uma unidade patriótica!

Em poucos meses até os mais conservadores aprenderam que o machismo é retrógrado, que o racismo é uma burrice, que todo o ser humano tem o direito de definir sua condição na vida, que todos os preconceitos só favorecem os que usurpam o poder e escravisam os que se submetem.

Os oprimidos de sempre, hoje sabem quem poderá representá-los no governo e estarão unidos para orientar os órgãos de poder que não evoluiram ainda. A campanha eleitoral será feita com o povo para que o governo possa continuar a receber o apoio concreto, lúcido, corajoso, do povo revolucionário e forte. Governar para o povo (generosidade de elite), ficou para trás.

A rede de boletins e videos - Opera Mundi, Nocaute, Barão de Itararé, Voz Ativa e tantas outras criadas por movimentos sociais como os Sem Terra, os Sem Teto, e todos os que dão voz às etnias segregadas das condições de cidadania, às mulheres desprezadas na sua dignidade, aos estudantes, aos desempregados, aos vitimados pelo mercado da droga e da prostituição, etc.- mostram a pujança dos que lutam e a imensidão dos problemas que até agora permaneciam como paisagem, mal conhecida, de raras interpretações intelectuais condicionadas pela formatação das suas instituições. E, cada vez fica mais claro que todas as instituições estão amordaçadas por leis, regras, ameaças, falsas denúncias, velhas histórias mal contadas, que as distancia do povo que pensa, fala, ensina o que é a realidade. Cai na real!

O MST, com seus 40 anos de luta, a partir dos analfabetos que conquistaram o direito ao trabalho na terra, construiu um plano econômico, um sistema social, uma formação cultural que partiu das creches e alfabetização e chegou à universidade (sempre lutando, e com mais de 1500 líderes assassinados). Mas hoje é conhecido em toda América, em toda Europa, África e Ásia, como modelo de organização, de formação profissional e de produção sem os venenos que as poderosas indústrias imperialistas de agro-tóxicos e medicamentos (para combater o câncer decorrente) impõem globalmente. É um exemplo e está aqui, no Brasil.

Acorda Brasil! Assim como o MST é brasileiro, também é brasileiro o Pré-Sal, a Petrobrás, a Embraer, e tantas outras empresas que exploram o sub-solo, além de cientistas, técnicos, artistas, professores, militantes de esquerda, apoiantes democratas, jovens entusiastas, um imenso patrimônio material e imaterial, é tudo nosso, de quem lutou no passado e quem luta agora. Lutemos unidos para que esta corja golpista não entregue de mão beijada aos seus patrões imperiais o que estão roubando desavergonhadamente.

Zillah Branco

quarta-feira, 25 de julho de 2018

No centro da unidade está o povo

O Brasil evoluiu no profundo debate para criar uma aliança de esquerda e derrotar o golpismo. As alianças não são entre pessoas dirigentes, são as convergências de todos os grupamentos da esquerda para atender ás necessidades dos 200 milhões de brasileiras e brasileiros.

A proposta de Governo terá metas claras e objetivos concretos para garantir a independência e a soberania nacionais para proporcionar o desenvolvimento cidadão e sócio-econômico.

Manuela D'Avila tem desenvolvido uma maratona de contactos com o maior número de representações populares de várias gerações, gêneros, etnias, profissões, de onde extrai a sua sabedoria e firmeza para afirmar: "O tema da unidade é um tema central. As virtuais divergências que a gente tem são inferiores à unidade que a gente tem que ter para reconstruir o Brasil”.

Este comportamento político supera o antigo hábito de discutir primeiro em torno da mesa redonda para depois levar a proposta às ruas. Vemos que Boulos faz trabalho popular semelhante em outros lados, Lula com a força da sua dignidade conquista eleitores mesmo sequestrado, e Ciro procura ouvintes em áreas mais resistentes à mudança. Em poucos meses o território brasileiro tem sido sacudido com um levantamento de questões concretas que exigem soluções urgentes através de uma plataforma única."O centro sempre foi a ampliação da nossa unidade”, explica a nossa Manú com a sua jovialidade inteligente e modesta de revolucionária.

A campanha nessas eleições ganha novo ímpeto com a criatividade da nova geração que se define como militante. É uma nova dinâmica que permite à geração anterior, de homens e mulheres de Estado contribuir entusiásticamente com as suas experiências através da nova comunicação social que denuncia a mídia global que se transformou em realejo do imperialismo. 

Celso Amorim explica como a figura estapafúrdia de Trump "desconstrói a ordem mundial" criada pelo seu próprio time. E a desordem criada pela crise sistêmica insolúvel, abre brechas por onde o Brasil poderá entrar quando recuperar a sua integridade. Refere a recente eleição no Mexico que deixou a velha direita no chão depois de décadas estacionada no poder. Requião analisa o cenário político voltado para a necessidade de fortalecer o Senado com a sua experiência democrática de raiz histórica, ou de se propor a governar o Paraná para repor uma meta que, imaginamos, seja parceira da que segue o Maranhão.

Enquanto as esquerdas se unificam na nova dinâmica, a direita vai perdendo os antigos pretendentes que não querem meter o pé em arapucas do processo ditatorial em decadência. O que os animava era um rio de dinheiro transbordante que começa a secar ou desviar seu curso para lados menos conhecidos, deixando a lama do fundo à vista de toda a gente. Até juizes recebem puxões de orelha em público por não saberem o que é a justiça. De outras nações chegam críticas à destruição da Justça no Brasil.

Mudou o vento! Nasceu uma nova consciência popular! 

"O tema da unidade é um tema central. As virtuais divergências que a gente tem são inferiores à unidade que a gente tem que ter para reconstruir o Brasil”.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Independência e Soberania Nacional

Independência e Soberania Nacional

O Estado oligarca que serve aos interesses da sua burguesia brasileira evolui com uma lentidão aflitiva. Ha séculos delegou a responsabilidade de fazer avançar uma engrenagem, para afastar a monarquia colonialista, ao patriarca da independência - José Bonifácio de Andrada e Silva - promovendo o grito do Ipiranga por D.Pedro I. Assumiu o papel de preparar o futuro Imperador instruindo-o para desenvolver obras culturais e acolher os emigrantes europeus, e a Princesa Isabel para assinar a Libertação dos Escravos. A oligarquia, à sombra do poder político alimentado pelo sistema financeiro e comercial da Inglaterra, traçou os seus caminhos de enriquecimento e opressão do povo que ficou livre, mas sem emprego.

Uma frase habitual, quando o brasileiro não estava para se apoquentar na busca de solução para um problema trabalhoso, era "ficou por conta do Bonifácio". Era a saida irresponsável para quem tinha um lugarzinho no Estado. Com o tempo, e a preguiça, deixaram de relacionar o Bonifácio que havia de resolver a questão, com o Patriarca da Independência, que fez os seus trabalhos ha duzentos anos. Mas a mesma engrenagem existe hoje, cheia de cracas e pedras coladas ás roldanas que movem o Estado apesar das modernas tecnologias e os títulos científicos dos que comandam as atividades. Comparado com as empresas privadas fica como peça de museu.

Nunca foi posto ao serviço do povo que, entretanto, formou-se como operário, frequentou a escola pública onde desenvolveu a sua criatividade e chegou ás universidades com o grande impulso dado por Lula a partir de 2003. A História produziu heróis que foram criando as funções de um Estado para servir ao desenvolvimento nacional com o povo integrado: com a escola pública, o Serviço Universal de Saúde, a Previdência Social, e o desenvolvimento de estradas, transportes públicos. Mas a elite dominante, obrigada a aceitar as instituições sociais, sempre ameaçou de privatizar os serviços mais rentáveis para enriquecer as empresas vinculadas às multinacionais. Para o povo, mantinha a idéia bucólica de subir no coqueiro para tirar côco fresco, como se apenas fizesse parte da paisagem tropical que encanta os turistas.

Lula inverteu este filme. A partir da Bolsa Família, integrou a população nas condições de cidadania, apoiou os estudantes com bolsas para cursarem as universidades, abriu o caminho para acabar com os preconceitos étnicos, apesar de permitir o fortalecimento do poder financeiro que permaneceu enriquecendo a velha elite acobertada pelo setor produtivo do empresariado.

O que impressiona é que o golpe de Temer veio exatamente para destruir a modernização do Estado em benefício da Nação - na produção de minérios e energia - deixando o Brasil empobrecido com seu povo miserabilizado. Na verdade, o que parece é que a oligarquia que apoiou a ditadura de 64, aceitou a aparente democratização gerida por Sarney e depois FHC e voltou, pela mão de Temer, para evitar que as mudanças democráticas de Lula transformasse o Estado emperrado e mínimo (que convém a quem serve os interessas imperialistas), abrindo as portas à verdadeira independência nacional e patriótica.

Só que o povo agora não está em cima do coqueiro nem chama de "virundú" o "grito do ipiranga". Basta ver as suas organizações onde os oligarcas não entram, as escolas de formação e as unidades produtivas de alimentos sem veneno do MST, as associações de combate aos preconceitos racistas ou machistas, que se relacionam com as congêneres de todo o mundo, a participação entusiástica nos comícios de esquerda onde Manuela do PCdoB, Boulos do PSOL, João Paulo ex-"sem terrinha" do MST, debatem os problemas nacionais que deverão fundamentar um futuro Governo a sério para o Brasil e recuperar as suas riquezas que foram enriquecer os patrões dos oligarcas. Deste despertar de consciência sairá uma plataforma popular e brasileira para a defesa de um Estado realmente democrático.

Zillah Branco

domingo, 15 de julho de 2018

Enriquecer os ricos e matar os pobres





A crise do sistema capitalista fecha e abre bancos, onde os clientes de classe média pensam guardar em segurança a suada poupança de uma vida. Descobrem que os governos perdoam impostos para que o capital cresça nos cofres. 

Mas os rendimentos de pequenas contas ficam retidos por meio de embrulhadas exigências jurídicas que constituem o trabalho burocrático bancário para que grandes investimentos e prêmios circulem enquanto o pequeno cliente aguarda a libertação do seu depósito que só ocorre quando a sua moeda for desvalorizada frente ao dólar e o euro que comandam o mercado mundial.

É fácil compreender a mágica do enriquecimento dos que manejam o capital para quem observou o sistema de pagamento nos latifúndios ou nas minas, que é feito no mercado interno da empresa, através dos produtos alimentares e das ferramentas que sobem de preço antes do dia em que o magro salário seria pago.

Os trabalhadores que não chegam a criar uma poupança com os salários congelados para que a empresa que os contrata não vá à falência, "coitados dos patrões", não podem reivindicar a aplicação das leis laborais por causa da "crise sistêmica" que afeta o país, "coitados dos banqueiros". Devem ser solidários com os "honrados" governantes que pagam as dívidas "nacionais" contraídas com os generosos bancos, aqueles mesmos que promovem as oscilações do valor das moedas no mercado financeiro. Nesta questão os governantes lembram os bons princípios morais ensinados ao povo, mas não à elite. Como hoje diz o Primeiro Ministro em Portugal ao reconhecer que os professores tiveram os salários congelados durante nove anos impedindo a sua evolução na carreira: "vou descongelar três anos porque o Estado não tem recursos para mais", e reforça os capitais dos bancos para poderem emprestar com juros altos.

A história é a mesma de um século atrás, mas agora toca a vez da classe média "pagar o pato" baixando o nível de vida, ao mesmo tempo que o operário conhece o peso da fome em sua casa. Os governantes com ar compungido explicam que "sentem muito" mas a realidade "é que o dinheiro do Estado escasseia". Parece lógico, a quem não pensar com a própria cabeça. "Coitados dos governantes" tão bem intencionados... Gastam tanto promovendo eventos ruidosos para desenvolver "culturalmente" o povo tão embrutecido!

Jack London, escritor norte-americano cresceu na pobreza dos trabalhadores, mas ficou estarrecido com a miséria que foi conhecer em Londres no início do século XX. No país colonizador e criador do sistema bancário mundial, em pleno centro da cidade frequentada por ricos de todos os países, encontrou no East End uma pocilga mais infecta que muitas favelas do Terceiro Mundo. Para aí convergiam os que abandonavam a dura vida do trabalhador no campo para viver com toda a família em um quarto, sem cozinha e condições de asseio. O escritor explicava que a primeira geração que aí se instalava gozava ainda de saúde e arranjava emprego que mal dava para o aluguel do quarto e a alimentação. Os seus filhos mirravam sem espaço e respirando a famosa poluição de Londres, não tinham forças para serem rentáveis no trabalho pesado e decaíam na espécie humana até morrerem embrutecidos pelo alcool. Os que sobreviviam na terceira geração, iam para a bandidagem e a prostituição. Essa era a escola para enriquecer o sistema capitalista.

Certamente não chegavam a preocupar os dirigentes, como os idosos de hoje que preocupam Cristine Lagard na chefia do FMI "devido ao aumento da esperança de vida". Morriam cedo, sem criar problemas para os ricos no seu afã de lucro fácil.

Para limpar a cidade de Londres foi fácil também. Os empresários compraram os imóveis e subiram as rendas, como hoje ocorre em Lisboa que recebe moradores de maior categoria (como a cantora Madona a quem a Câmara empresta um terreno com muros e portões para os seus 15 carros de uso doméstico) em pleno centro da cidade.

Os estudiosos da economia capitalista explicam que são engendradas políticas habilidosas para superar as crises do sistema com uma relativa cedência às reivindicações populares. São as fórmulas social-democratas que evitam a morte dos trabalhadores animando o que chamam de Estado Social com escolas e saúde públicas e a enganosa "segurança" social. De certa forma investem parte dos lucros do capital para tirar as famílias dos trabalhadores da ignorância e da mortalidade por fome e permitindo que doentes ou idosos possam sobreviver sem recorrer às esmolas degradantes.

Mas esta aparente generosidade tem outro objetivo: cria uma nova camada social capaz de consumir o que a sociedade produz fazendo o capital circular para crescer. Foi o que ocorreu nos Estados Unidos dirigido por Roosevelt para enfrentar as crise de 1929 realizando uma reforma no capitalismo sob a orientação de Keynes. Conseguiu criar milhões de empregos para abrir estradas e fazer usinas hidroelétricas que modernizaram o país tornando-o atrativo para emigrantes de todos os continentes que levaram os seus conhecimentos como mão de obra barata para enriquecer o país.

Mas o sistema capitalista prosseguiu o seu desenvolvimento inevitável enveredando pelo caminho neo-liberal que cria a hegemonia do capital financeiro sobre o capital produtivo transformando o Estado na ditadura do grande capital. O Consenso de Whashington na década de 1990, segundo explica o professor Avelãs Nunes (¹) "permitiu ao grande capital financeiro recuperar a liberdade de movimentos que gozara nos anos 1920 e que conduziu à Grande Depressão. Graças às políticas neoliberais, o proclamado capitalismo sem crises deu lugar ao capitalismo do risco sistêmico"..."desmantelando as estruturas e mecanismos de regulação e controle da atividade financeira que vinham do tempo do combate dos anos 1930".

Em 1981 Beltram Gross escreveu um livro sobre o "fascismo amigável". Mais tarde outros autores, como Amartya Sen e Paul Krugman avisavam o mundo de que "a concentração extrema do rendimento significa uma democracia apenas no nome, incompatível com a democracia real" - é a ditadura do grande capital financeiro aplicada por um estado forte e, como escreveu A.Gamble, "um estado capaz de restaurar a autoridade a todos os níveis da sociedade e dar combate aos inimigos externos e aos inimigos internos".

Bertie Sanders tentou recuperar o apoio de massas que permitiu a Roosevelt conter a violência do sistema que havia impedido Obama de realizar algumas medidas democráticas enquanto Presidente, por exemplo na questão da saúde pública. Foi o próprio partido Democrata que o dissuadiu da eleição. O Estado foi entregue ao republicano Trump que exibe a sua violência dentro e fora dos limites do seu país.

A esperança não morre, pois há diferentes conjunturas em que o povo manifesta a sua força reivindicativa e impõe novos caminhos. Obrador foi eleito com maioria absoluta no México reunindo diversas tendências da burguesia com a decisão do povo unido. Trump arrota violência mas faz conversas amigáveis. Mesmo na Europa, que está com a espinha curvada pela social-democracia, não alcança tudo o que pretende. Os povos levantam-se por todo o lado e não vão mais em conversas de "fascismo amigável".

sábado, 7 de julho de 2018

"Um montão de gente"

A sabedoria de um trabalhador

Cassiano, era caseiro em Itanhaém quando eu era adolescente. Morava em um quarto com banheiro e cozinha no fundo de amplo quintal de uma casa de veraneio e fazia bem todo o tipo de trabalho: marceneiro, pedreiro, pintor. Era "pau para toda obra", sempre com um sorriso de ternura para as crianças. Gostava de conversar e fazia perguntas sobre o que aprendiamos na escola "porque não pudera estudar além do segundo ano primário". Ao saber que eu estava no curso de Ciências Sociais deu-me um forte aperto de mãos pedindo que sempre lhe passasse alguma coisa para que pudesse entender a sociedade brasileira. Ficamos muito amigos ao longo dos anos. Ao vir de Portugal em 1996 fui visitá-lo. Estava bastante debilitado, com o coração enfraquecido, e mal saia da cama. Para se entreter havia feito um suporte em madeira para ler a Bíblia que já não aguentava nos braços. Não era religioso, lia como quem estuda a história passada. Substituiu-a pela biografia do Mandela que lhe trouxe.

Fez-me muitas perguntas sobre os movimentos políticos mundiais de que tinha notícias por uma pequena televisão. Dizia- se surpreendido com grandes manifestações sindicais na Europa, notando que os trabalhadores se uniam por profissões, vindos de várias partes dos países e até de outras nações. Tanto eram operários, como professores ou médicos. Perguntava: "será que no Brasil teremos organizações assim?" E concluiu com tristeza: "Eu acho que o Brasil não tem um povo. Tem é um "mundão de gente".

Impressionou-me o seu pensamento. Revelava uma observação profunda feita durante toda a sua vida, de filho de escravos, menino de rua, biscateiro, ajudante de quem trabalhava aprendendo as várias profissões, tomando conta da propriedade de quem gozava do conforto de classe média procurando conhecer o que era ensinado nas universidades e ocorria no mundo.

De fato o colonialismo no Brasil destroçou o povo nativo, trouxe escravos separando as famílias e tribos para evitar que as identidades gerassem resistência, não transpôs comunidades portuguesas mas sim elementos esparsos que eram colhidos para compor o pessoal das caravelas, importou meninas de orfanatos franceses para formarem famílias, e com o Império organizado vieram imigrantes de vários países europeus a quem entregaram terras para formarem as suas comunidades. Diferentes todos, nas culturas e nas situações sociais, sem uma estrutura nacional para produzir e para formar uma cultura que os unisse.

Com a implantação do sistema capitalista cada região recebeu de fora o seu comando. Os Estados desenvolveram-se como puderam, dependentes do latifúndio ou de impulsos industriais diversos. São Paulo foi enriquecido pelas instituições financeiras necessárias a todos e distribuidas desde a Inglaterra e os EU. Fez-se a capital econômica e polo de poder. A capital Federal ficava mais próxima do latifúndio e administrava de longe o país. O extenso Maranhão só recentemente, com o governo de Flávio Dino, deixou de ser um domínio oligárquico para integrar a nação e sair do atraso.

Getúlio vislumbrou a necessidade de estruturar a nação em torno das grandes empresas nacionais. Sem poder para enfrentar os donos da dinâmica nacional deixou o projeto como testamento. A inspiração chegara depois da grande guerra, da experiência socialista da URSS e do despertar do ensino universitário integrado por organismos internacionais como a CEPAL, da ONU. Chegou também a ditadura militar repressora de movimentos sociais e políticos para evitar a emancipação nacional.

No bojo deste despertar da identidade nacional afogada em crimes até hoje não desvendados surgiram das oligarquias e das universidades políticos capazes de exercerem lideranças conservadoras ou sociais-democratas inspiradas desde os países mais desenvolvidos. A esquerda perseguida sempre semeou a luta popular e os objetivos revolucionários sem conseguir uma estrutura sindical na falta de uma organização da produção nacional. O modelo também era externo, de culturas completamente diferentes do nosso "montão de gente".

Foi Lula quem abriu o caminho, primeiro na luta sindical que se espalhou pela indústria das grandes empresas estrangeiras em S.Bernardo. Inspirou a burguesia nacional que viu a oportunidade de superar as oligarquias e aglutinar as esquerdas no PT. Lula eleito abriu um projeto nacional para o desenvolvimento levando a Bolsa Família, a água e energia elétrica para abastecimento doméstico e irrigação das culturas, saúde e escolas para todos. A inexistência de uma estrutura de classe trabalhadora, de uma política consequente que fizesse o uso da riqueza depender dos passos de desenvolvimento das forças produtivas nos centros urbanos e com a reforma agrária no latifúndio, permitiu que as antigas lideranças oligárquicas tirassem proveito dos altos cargos ocupados pela elite no Estado e nos Parlamentos.

Hoje este problema é debatido amplamente. Deve ser aprofundado pois a compreensão dos enganos causados por ignorância de conceitos políticos - socialismo não é social democracia que segue neo-liberalismo, democracia não depende da autorização da elite, generosidade não é solidariedade, etc.-  continua permitindo que um ilustre oligarca de raiz se transforme em simpático às transformações revolucionárias. Como os que sairam do ARENA para o MDB, do PMDB para o PSDB, ou de uma juventude anti-ditadura para a promoção do golpe para vender o Brasil na feira internacional.

Com todas as experiências hoje estrutura-se um "povo" como reclamava o Cassiano. As escolas públicas produziram cientístas, profissionais, artistas e líderes. Os sindicatos descobrem que unidos defenderão uma legislação trabalhista. Os petroleiros defendem a empresa estatal, os sem-terra provam que só eles, unidos, defendem uma alimentação sem venenos. As mulheres impõem o seu valor, as etnias expulsam os preconceitos. Os cidadão defendem todos os seus direitos. Unem-se pelas suas características de vida, de trabalho, definidas as identidades que superam fronteiras geográficas e estruturam o povo. Este povo é que apoiará uma plataforma governamental e votará um Referendo para revogar todas as vendas ilícitas do patrimônio nacional.

Zillah Branco