sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Uma história mal contada pelas elites


O caos que hoje se alastra pelo mundo, abalando ricas cidades, como Paris, e ameaça outras nações europeias,  é alimentado pelos que destroem os valores fundamentais dos seres humanos. A confiança nos governantes, nos Estados dito de "direito", nas instituições internacionais e regionais do sistema capitalista, tem desaparecido ao longo dos anos desde a Segunda Grande Guerra que foi mascarada pelos "aliados do imperialismo" para disfarçar o seu interesse principal contra a Revolução Socialista.

A ONU foi criada como um laço fraterno para levar para os países mais pobres o caminho para o desenvolvimento e a segurança, alcançado pelas nações mais ricas da Europa e da América do Norte, enquanto foi desencadeada, sorrateiramente, a Guerra Fria. O objetivo era minar a experiência da primeira potência socialista - URSS - e destruir as condições de êxito revolucionário na China, Cuba, Vietnam, Coreia e Laos que, suportando as condições de subdesenvolvimento, não preocupavam os poderosos do sistema contrário, que desconhecem as capacidades de auto-sustentabilidade de povos unidos na luta pela sobrevivência com democracia e soberania. Predominou uma versão social-democrata centrista no pretenso governo mundial, capitalista. Foi criado o Estado Social nos paises mais ricos, dando um desafogo financeiro à classe média que se serve dos emigrantes das ex-colonias ou dos países invadidos pelo imperialismo, nos trabalhos mais pesados e sem garantias trabalhistas.

O poder financeiro imperialista afectou a percepção racional da elite ocidental que desdenhou, desde o fim da Grande Guerra, a importância da dignidade e da ética nos seus líderes nacionais e internacionais. É visível a decadência que se seguiu no comportamento dos chefes dos principais governos capitalistas, mais preocupados com a promoção da imagem de poder absoluto que o exemplo de integridade e honestidade que lhes poderia grangear a admiração popular. Confiaram nas conquistas de meios financeiros que, combinados com o desenvolvimento tecnológico, científico e militar das estruturas governamentais, criaram uma distância social em relação ao povo subalternizado, dividido em trabalhadores e classe média. As polícias, assim como os setores da inteligência e da fiscalidade, passaram a proteger com maior autoridade e violência, os governantes e seus parceiros da elite financeira. A imagem é a do capital que tudo compra, e na violência com que se protege, tal e qual os antigos monarcas absolutistas.

A personificação do "poder absoluto", autoritário e bem armado, não supõe contradições passíveis de diferentes interpretações. Não devem existir outros pontos de vista. A primeira degradação na estrutura do Estado ocorreu no âmbito da Justiça, que subordinou as leis às conveniências da elite para encontrar soluções (ilegais, porém possiveis) para os múltiplos crimes cometidos pelos governantes e seus amigos. Foi necessária a criação de uma rede de compromissos entre sectores judiciários, de segurança pública e de informação, aliada à elite política e financeira. E, a partir dessa rede, outra ligada aos setores privados, que assumiu a função de preparar as eleições com caracter democrático, fazendo uso da comunicação social e promovendo alianças com os diferentes partidos, além de utilizar grupos terroristas para instaurar o medo às oposições.

A figura central, de Presidente, tornou-se apenas um boneco com a aparência de compreensivo com os infortúnios humanos, responsável pelas aparências de boa gestão dos recursos nacionais, e promotor das conquistas científicas e tecnológicas alcançadas pelos institutos privados a nível universitário internacional. A complexa administração do país e o relacionamento internacional conta com "assessores" especialistas formados pelo sistema, que é global e está acima das "insignificantes" realidades históricas em que o povo vive. Uma farsa, logo se vê! Ao compararmos a sequência de governantes das nações mais ricas, desde o final da guerra, vemos claramente o esmaecer dos traços reveladores de personalidade, de integridade, de coragem, de solidariedade, de grandeza interior. E, hoje, quando se assiste ao fim do modelo cultural que prezava a ética e a solidariedade humana, fica a dúvida, a começar diante do Presidente da potência imperialista: "Confiar em quem?"
Os objetivos da elite política do capitalismo, para os quais foi montado o complicado sistema burocrático de leis e normas institucionais, é para obter maiores lucros com a exploração do trabalho e com a utilização descontrolada dos recursos naturais. Calculam, para os que trabalham, o mínimo necessário para que produzam para o mercado, e estimulam o consumismo de inutilidades para que as moedas circulem. Isto é o mesmo que a escravidão, teóricamente  abolida há duzentos anos! Mas, as conquistas dos que lutaram nesses duzentos anos gerou leis trabalhistas, segurança social, saúde universal, escolas públicas, conceitos de higiene e habitação condigna. E, esse processo, que é reconhecido nas organizações internacionais foi assinado por todas as nações para ser adotado mundialmente! Os seus responsáveis eleitos pelos países mais ricos, nem sempre cumprem... ( o que explica também a própria decadência innstitucional).

Mas a luta continua
Ao contrário da regressão visível nas nações mais ricas, surgem nos países que conservam os princípios socialistas ou nos que têm a coragem de definir caminhos progressistas, personalidades respeitáveis que dão prioridade à implantação da democracia que garante o desenvolvimento das forças produtivas nacionais e do povo trabalhador e impõem a soberania patriótica. Surgem as imagens dos governantes que inspiram o respeito humano e a confiança, capazes de liderar os que resistem aos destruidores do valor humano.

A chama que alimentou processos revolucionários reacendem, e buscam caminhos pacíficos para construir a liberdade, a democracia real, a soberania nacional. Neste trajeto exigem o apoio efetivo da ONU e  suas Organizações: da Agricultura, Mundial de Saúde, Internacional do Trabalho, a Proteção das Crianças, a Defesa da Cultura, a definição dos Direitos Humanos e a atualização das Comissões de Nações (G7 e G20) que devem ser atualizadas para  representarem os reais interesses dos povos em um mundo multipolar.

O debate sobre os preconceitos mantidos como contra-peso da cultura imposta, através dos meios de comunicação global sob o controle imperial, desvenda hoje a ignorância que limitou a igualdade entre povos de etnias diferentes, entre gêneros, entre opções diferentes de crenças, ideologias, sexos. Os preconceitos, apresentados como verdades históricamente fundamentadas, foram formas de manipulação das consciências em formação para impedir a união dos mais pobres em defesa dos seus direitos. As condições de igualdade hoje reconhecidas mundialmente, desmistifica falsos poderes e expõe a insensatez dos exploradores e dos submissos. É um passo significativo para a liberdade humana.

Junto com os preconceitos caem também dogmas que engessavam grupos que lutavam por modelos utópicos e desaproveitavam avanços estratégicos que as condições históricas, diferentes em cada país, permitiam como passos no caminho do socialismo. Todo o último século de lutas, foi de grande maturidade na consciência dos povos, sobretudo no convívio entre nações que se desconheciam, não só entre o Oriente e Ocidente, mas com o conhecimento da realidade em que sobrevivem e despertam etnias com soluções de vida enriquecedoras para toda a humanidade. O mundo tornou-se menor, devido aos meios de comunicação e transporte, mas muito mais profundo na área do conhecimento e da revalorização dos princípios éticos e o entrosamento com a natureza.

No entanto, o poder militar do imperialismo existe como uma ameaça contra as contestações ao seu domínio, e recebe o apoio das nações mais ricas do sistema que assistem impotentes o desboroar das suas políticas neo-liberais e os protestos cada vez mais frequentes das populações exploradas. Quando tentam satisfazer parte das reivindicações do seu povo, o terrorismo é insuflado pela extrema-direita para que a coleira imperial os contenha. Assim tem ocorrido em paises da América Latina e agora ameaçam grandes capitais europeias, obrigando as elites do sistema capitalista, fantasiadas de democratas, a recusarem a construção de soluções que só existem com a integração de todo o povo em um mesmo padrão de vida e desenvolvimento. Confiemos na luta popular!
Zillah Branco (7/12/18)



Nenhum comentário:

Postar um comentário