sábado, 13 de outubro de 2018

Fascismo avança empurrado pela comunicação

Zillah Branco, 
especial para O Lado Oculto
Ao conhecermos Haddad na sua trajectória durante o governo Lula no Brasil ficámos impressionados com a formação cultural que tem, a partir da educação familiar com o respeito pelos valores éticos e de sociabilidade, com um casamento feliz porque baseado no respeito mútuo que alimenta o amor, e com vários cursos universitários que reuniram o conhecimento das leis e da administração pública a uma permanente consulta aos trabalhadores e aos que sofrem discriminações por diferentes preconceitos. Este devia ser o curso básico de qualquer governante em qualquer país.
Nelson Mandela, com uma origem tão diferente, coincide no geral com Haddad. Não sendo comunista, procurou conhecer a doutrina que os ativistas daquele partido de esquerda praticavam para somar-se à sua luta contra a opressão; sendo negro buscou compreender os brancos, os indianos, para compreender os laços que existiam entre as comunidades e as etnias no combate à opressão.
Hoje Mandela é homenageado na ONU por todos, inclusive pelo Presidente de Portugal, pelas qualidades superiores daquele líder africano. Talvez isto ocorra porque já morreu, mas o que gravamos é o elogio às qualidades, muitas das quais são idênticas às de Fernando Haddad.
No entanto, os media internacionais desvirtuam as informações sobre a luta contra o golpe e o fascismo no Brasil com as suas habituais "fake news" e as suas montagens de cenários novelescos a que se prestam corruptos personagens (como tem feito a TV em Portugal e no Brasil).
Não é de admirar que a "boca e o cérebro" do sistema do capital condenem Fernando Haddad (do PT) e Manuela d'Avila (do PC do B) que fraternalmente uniram os seus camaradas numa luta desenvolvida através de todo o extenso território brasileiro, para contactar todos os grupos sociais e conhecer os seus problemas reais. A elite poderosa do capital é antagónica em relação aos princípios democráticos que defendem a igualdade de condições de vida para toda a população, pois que a verdadeira democracia só será possível aplicando a riqueza da produção nacional no desenvolvimento social e económico, e não na acumulação bancária.
O papel das organizações religiosas
Os media alternativos que se desenvolvem militantemente no Brasil, e com a solidariedade possível à esquerda, conseguem divulgar a verdade que orgulha os lutadores em todo o mundo. Muitos líderes estrangeiros têm dado o seu apoio a esta luta - que tem como herói o ex-Presidente Lula, sequestrado pelos polícias do golpe de Temer que calaram o sistema judicial para eliminar a honra do Estado - e permitem aos vários canais de comunicação, que já se expandem na Europa e no mundo como "antídoto às fake news", uma nova proposta de convívio entre pessoas de bem para corrigir as armas de uma elite poderosa que valoriza apenas o poder desumano e retrógrado do dinheiro.
A influência da CIA sobre os media globais deteriora a formação cultural das populações e estupidifica as novas gerações, que são privadas de um ensino adequado para seres humanos positivos e de uma base cultural humanística. Instauraram uma formação de autistas ou de alienados capazes de seguir os piores exemplos dos filmes terroristas que se multiplicaram nos últimos anos.
O exemplo de isenção ideológica, na América Latina, tem sido dado pelas igrejas cristãs, unidas às que têm crenças diferentes (de acordo com as histórias dos seus povos), e pelas mensagens do Papa e de tantas personalidades respeitáveis de várias nações.
E de organismos da ONU. É um apoio benéfico à luta que o povo brasileiro desenvolveu nestas eleições pelo regresso a um governo democrático.
Mas a Igreja Evangélica, criada nos Estados Unidos como braço do imperialismo, transformou os actos de culto em comícios para promover o fascismo e conduzir os cidadãos mais desamparados e sem formação social ao combate à esquerda, recorrendo aos velhos preconceitos anti-revolucionários do tempo de Hitler. Dessa forma, o candidato da velha ditadura, o terrorista Bolsonaro, alcançou 46% dos votos.
Haddad e Manuela, com 29% dos votos receberão agora o apoio de Ciro Gomes e Guilherme Boulos, que se aproxima de 13%, e farão uma campanha de esclarecimento popular orientada pela herança das presidências de Lula, com o objectivo de reduzir as abstenções e clarificar as dúvidas de uma camada jovem que não conheceu a ditadura e embarcou nas falsas promessas de Bolsonaro e do Partido/Igreja Evangélica.
Do centro-direita onde se posicionam Geraldo Alckmin e outros perdedores também poderá sair um significativo número de votos de antifascistas que antes aderiram ao golpe.
É difícil prever o que vai acontecer na segunda volta, mesmo com a possibilidade de vitória da democracia, pois a ditadura com Bolsonaro à cabeça apenas tenta ser eleita para evitar a necessidade de usar a força. Será necessário um apoio internacional para que o fascismo não tenha hipóteses de regressar através de uma ditadura mascarada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário