sábado, 6 de outubro de 2018

Publicado em O Lado Oculto

AS ELITES CAPITALISTAS ENGENDRAM O FASCISMO NO MUNDO

 2018-10-05

Michel Temer (à direita) abriu o caminho para a ameaça fascista de Bolsonaro com o golpe de 2016

Zillah Branco, especial para O Lado Oculto
O sistema capitalista em ebulição expele uma nata que recobre a sua história com o que há de mais podre: a sua elite política. Mesmo os que sofrem directamente a opressão dos Estados Unidos lamentam que aquele povo pioneiro onde se fundiram várias nacionalidades; que já possuiu invejável condição de vida, atraindo um fluxo emigratório que transportou conhecimentos e capacidade produtiva adquirido em países mais pobres; que digeriu problemas de racismo e escravidão, gerando poderoso movimento negro e verdadeiros democratas com destacados cientistas, artistas, líderes sociais - tenha hoje como presidente um execrável Trump. O mesmo poderemos dizer de outros povos, como o francês, o inglês, que seguem de joelhos o mesmo caminho neoliberal e deformam a cultura dos seus habitantes com os media enlatados.
Ao contrário, os governos progressistas que lutam pela independência das suas nações e pelo desenvolvimento dos seus povos, constroem alternativas mesmo sob os constrangimentos e agressões impostos pelo poder capitalista. Estes são presididos por gente da sua gente, formada com os valores pátrios, como Nicolas Maduro na Venezuela, Evo Morales na Bolívia, Miguel Dias Canel em Cuba, e tantos outros que revelam coragem e respeito pela história que ajudam a construir, como Lula fez no Brasil. Pessoas confiáveis humanamente, que lembram heróis de outros tempos, íntegros, honestos, inteligentes, audazes, com carácter. Exibem valores que desapareceram das cartilhas capitalistas nas quais o "esperto", o "mau", o "fingido", o "prepotente" são os modelos a serem seguidos pelas novas gerações.
No caso do Brasil, o mundo de pensamento livre lamenta mais ainda por ver o povo que teve Lula estar agora sob o governo do insignificante Temer, difícil até de olhar a triste figura, boçal, pérfida, mesquinha, uma nódoa. Que contraste com o que Lula criou! Da alegria, do entusiasmo vivido, da confiança no futuro mergulhámos no lodo putrefacto dos vendilhões da Pátria. Como os paises que foram invadidos por terroristas fardados ou não, os líderes populares e de partidos de esquerda foram também sendo gradualmente assassinados. Contam-se aos milhares os que o Brasil perdeu pelas armas de jagunços civis ou fardados. O agressor escolheu com pinça os que estavam na luta, como Marielle, mas também jovens e crianças pobres, mulheres indefesas, camponoses heróicos. Foi selectiva a ação assassina. É contra os que trabalham para viver e sustentar seus filhos, contra os que estudam para melhor protegerem a natureza e os direitos humanos, contra os que enfrentam a agressão para proteger os indefesos.
Para atingir a maioria com a sua peçonha, Temer e a sua clique destruíram carreiras universitárias, institutos científicos, assistência médica e social; acabaram com a Justiça institucionalizada, corromperam sectores actuantes no Estado, envenenaram a informação social, venderam ao preço da chuva as riquezas nacionais. O fruto foi engendrar o fascismo que se atrelou aos remanescentes da ditadura. A ameaça de crimes e violência generalizada transformou a sociedade num campo minado.
O papel do fascismo mediático

Foram longe demais, empolgados com a imagem que o seu espelho da vaidade reflectia. Infelizmente casaram com a deformação que há décadas o fascismo midiático preparou e hoje assusta os mal informados que, por medo e ignorância, acreditam nas informações mentirosas que a TV e jornais repetem milhões de vezes. Mas surgem novas formas de oposição, como a das mulheres que descobrem que a raiz do machismo castrador está no nazismo; dos estudantes que querem conhecer a verdade científica e humanista e exigem universidades livres; das várias etnias, ao descobrirem que os preconceitos vêm da elite egoísta que defende o seu ouro roubado; da gente pobre que não quer pagar as dívidas feitas pelos ricos egoístas. Torna-se mais claro para todo o planeta que a história sempre resultou do confronto entre a elite exploradora e os trabalhadores lutadores.
Nascem diversos grupos de esquerda mais radicais, mais cristãos, mais intelectuais ou menos racionalistas, que na hora de escolher o governo capaz de vencer o candidato fascista - que carrega a ditadura militar como força antipopular, anti-humana - escolhe o representante de uma esquerda unida que fará alianças com os diferentes grupos populares e sindicalistas para traçar o caminho governamental; mas não com a direita, que só pensa no poder financeiro. Uma esquerda unida, que depois poderá propor parcerias aos que desenvolvem a produção e investem nos programas nacionais, mesmo que ideologicamente sejam ainda reaccionários. A dinâmica de uma nova sociedade onde o povo participa junto ao poder político há-de vencer as oposições de ricos contra pobres, tornando o desenvolvimento nacional a única meta patriótica.
A consciência das mulheres deu um passo histórico na participação política. Ela é bela, ela é mãe, ela ama e defende os seu, ela estuda, ela enfrenta, ela vence acompanhada por quem tiver estatura para ser companheiro na luta diária. Não há Temer, ou Fux, ou um rei, ou um fascista que ela não vença. Ela é o simbolo da Justiça, da República, da Pátria!
O mundo precisa urgentemente de valores éticos, solidariedade, fraternidade para ser organizado com liberdade, para usufruir de todas as diferenças positivas da humanidade. Os virus destruidores devem ser tratados medicamente para poderem ser eliminadas as suas patologias. O que está em causa não é o mercado ou o capital, é a gente que quer viver e construir um planeta com paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário