terça-feira, 20 de outubro de 2015

Europa, à esquerda volver!



As mudanças não ocorrem por acaso, não caem do céu nem com rezas fortes, nem dependem de idéias geniais ou do peso das leis e forças das armas. Sendo um processo de transformação, as mudanças resultam de paciente demonstração de que a humanidade evolue selecionando soluções para os erros de percurso e para as carências impostas aos povos para satisfazer ambições mesquinhas de poder de uma elite privilegiada e cruel.

Tomando os países mais pobres da Europa, vemos que eles carregam uma história marcada pelo exito da coragem e criatividade da sua gente - os grandes filósofos gregos, os grandes navegadores e geografos portugueses, os valentes guerreiros espanhóis - que além das ações práticas que abriram o mundo à toda a humanidade, aprofundaram conhecimentos científicos enriquecidos pelo desvendar de novas culturas consideradas exóticas, foram cruelmente explorados pelos mais ricos agarrados ao poder monárquico e clerical que deu origem ao sistema financeiro com a ganância do lucro e a frieza dos cálculos acima dos sentimentos humanistas.

Em 1974, como resultante de um longo processo tão claramente analisado por Alvaro Cunhal desde 1947, a mais velha e carcomida ditadura da Europa é derrubada por militares (com as suas razões específicas) apoiados pelo povo que descobria a injustiça do sofrimento que sempre sofre por não ter os privilégios da elite. Jovens de todos os países ricos da Europa ofereceram a sua solidariedade, mesmo aqueles que usufruiam dos privilégios de classe das elites. Despertava a consciência e o respeito pelos princípios fundamentais da humanidade.

Nascia uma nova esquerda, confusa e anárquica, que foi manipulada pelos políticos oportunistas que davam uma lágrima ao povo sofredor e um riso esperto à elite política aliada do imperialismo - os polícias do mundo. A esquerda esperiente chegou ao Governo por alguns meses em que fez nacionalizações, reforma agrária e definiu apoios aos pequenos agricultores e pescadores, abriu caminho para sistemas públicos de saúde, educação e previdência, mas não pode vencer a direita que através da hegemonia da informação, nacional e internacional, criou um ambiente de guerra civil e manipulou consciências recém-abertas ao conhecimento revolucionário. Deixou a sua marca na Constituição assinada por todas as forças políticas na época dos Cravos de Abril.

Vieram os governos de direita. Com duas coligações que se sucediam mas que igualmente mergulharam o país na dependência financeira que era delineada pelo projeto de unificação do capital armado de todo o continente europeu - CEE/NATO, UE - com seu banco e seus conselheiros técnicos. Os paises pobres foram submissos e os ricos coniventes com a implantação do modelo imperialista na Europa com uma moeda forte que compete com o dollar, irmão mais velho.

Mas o movimento das idéias seguiu o seu curso, alimentando as consciências despertas pelo tremer das estruturas do poder que deixaram à vista as rachaduras causadas pela força popular quando unida. O conhecimento democratizado das ciências sociais limou arestas, reduziu rompantes individualistas, corrigiu erros pessoais com os ensinamentos da realidade. A semente da esquerda ficou apta a crescer em solo fértil.

O imperialismo liderado pelos Estados Unidos aperfeiçoou o seu fortalecimento bélico e de informação midiática aproveitando os recursos da ciência e da tecnologia informatizada para avançar na destruição de civilizações milenares do oriente (onde foi parado pelo Vietnam, Coreia e China) e do Oriente Médio onde plantou suas bases em Israel e comprou monarquias árabes subalternas. Com o apoio da UE derrubou o muro de Berlim e provocou a derrota do socialismo na Europa, destruiu o Afeganistão, invadiu o Iraque, penetrou nas lutas intestinas dos árabes enfraquecendo nações fortes que se modernizavam, assassinou governantes e destruiu o equilíbrio da Libia, o Egito, a Somália e Etiopia minou o Estado das ex-nações socialistas assim como de países árabes que enfrentavam os apetites de Israel - Palestina, Líbano, Jordania, Síria, Irão, Pakistão e outros. Neste caminho sangrento deu-se a grande crise financeira do sistema, o que levou o império a comer das próprias bases o sangue dos pobres, a que chamou técnicamente de Plano de Austeridade. E criou o Estado Islâmico no bojo de uma mal explicada luta contra um terrorismo aparentemente árabe e muçulmano mas nascido dos jogos e filmes que o império usa como pedagogia das jovens gerações.

A esquerda em formação, seguindo mesmo a contra gosto o caminho revolucionário imparável dos Partidos Comunistas, amadureceu as suas análises e somada a uma franja de pessoas que são conservadoras por formação, mas que foram obrigadas a pisar a lama da "austeridade", organizou manifestações a favor de eleições democráticas - a Grécia contestou a UE e as suas sangrias para salvar a banca; a Espanha elegeu governos de esquerda em grandes municípios e passou a defender a independência da Cataluña; Portugal obteve a maiora de votos à esquerda contra o Governo submisso da direita tradicional. A própria direita, para não escorregar no falhanço dos seus partidos, começou a mostrar que sabe ser de esquerda para parecer inteligente.

A União Europeia, desmascarada pela defesa única do sistema financeiro contra o bem estar e desenvolvimento dos povos e suas forças produtivas, começa a receber a ponta-pés e com arame farpado as levas de emigrantes que fogem das guerras imperialistas. A crueldade de assistir paralisada os afogamentos de milhares de jovens, velhos e crianças, no mar Mediterrâneo - via especial do turismo - e a ocupação de praias italianas e gregas por uma humanidade escorraçada dos seus países de origem, para exibirem a sua miséria em locais de luxo, despertou a ira dos Hungaros, Austríacos, Alemães, Suiços e Nórdicos que pendem para a direita fascista contra a esquerda que germina nas suas próprias sociedades onde oferecem solidariedade humana para os emigrantes.

A "união europeia" deixou de existir dando lugar à " gestão do capital europeu", sugerida pela a Inglaterra de Pilatos que aconselha a dar dinheiro para países limitrofes dos guerreados para que segurem nos seus campos os que ameaçam a rica europa com a sua miséria. Esta proposta recebe o apoio da ex-humanista França e da equilibrista Alemanha de Merkel que oferece grandes somas até mesmo à Turquia para que aguentem longe dos "civilizados" as consequências das invasões feitas pela NATO e os amigos norte-americanos. Prometem tudo, até um lugar na UE desmoralizada. Enquanto isso os russos limpam a Siria dos esbirros do imperialismo, da CIA e seus alunos ao EI e os norte americanos aceitam dialogar com quem antes era inimigo a abater. Um falhanço rotundo da política expansionista no mundo árabe.

A direita fascista se distingue da outra, submissa, pois é nacionalista. Surge como mais consequente aos olhos de povos enriquecidos e ganham eleições. Há uma aliança anti-natura com alguma esquerda sem rumo, que substitui o impulso revolucionário do Siriza na Grécia (que havia dado um primeiro passo maior que as pernas) confundindo os apoiantes. Tudo isto serve de mostruário de hipóteses para os povos onde a consciência germina. Daí as surpresas quando as esquerdas se unem em Portugal e animam o resto da Europa.

Ninguem aceita mais os antigos bonecos vestidos de Presidentes. Não querem reis de gravata para fazer papel de autoridade sem voz nem vontade diante da austeridade que assola e das invasões que trucidam. Todos agora querem mostrar que são democratas e até aceitam alguma esquerda bem comportada. Vamos em frente com candidatos que ainda assustam os conservadores: um padre comunista, uma mulher que conhece e condena os podres da UE.

Dias melhores virão quando a ignorância medieval e a cobiça de riquezas e poder forem banidos das sociedades. Temos à vista outra experiência criadora, a da América Latina onde as Uniões respeitam a moeda e a história de cada nação, e unem esforços apenas para enfrentar inimigos comerciais, financeiros, que expoliam para invadirem depois. E estes exemplos vão germinando em continentes distantes, como a África e a Ásia.

Para terminar com um quadro real (que a TV exibe) para ilustrar a intenção otimista, refiro as manobras da NATO, com imensos barcos de guerra norte-americanos e armados até os dentes, na manhã do dia 20 de Outubro, descarrega dois jeeps todo-o-terreno que tentam invadir uma praia alentejana de Grândola (a Vila Morena) e ficam irremediavelmente atascados nas areias. Até as areias alentejanas resistem ao poder armado do imperialismo e sua aliada UE!

Zillah Branco

Nenhum comentário:

Postar um comentário