domingo, 9 de outubro de 2016

Os que não eram democratas, mas sim carrapatos

Aos poucos os covardes vão declarando inocência quando se exibiram como defensores da democracia nos governos PT: a dondoca Marta, o decorativo Temer e outros - estavam ali como jarrões, mas não tinham compromissos com o programa do Governo. Entendiam que "aliados" eram como "amiguinhos" na hora da festa.


Se não trabalhavam para executar o programa do Governo, devolvam os salários e desinfetem o lugar que ocuparam. Vergonhoso o papel de ratazanas que assumem hoje ao saltarem do barco que afundam, os jarrões que (além dos salários e benesses dos cargos) usaram o poder que lhes foi conferido (ingenuamente pelo povo que hoje se vê traído) para distribuir criminosamente empregos e verbas com o dinheiro público. Isto os "juízes" de hoje não veem? Ou também eles confessam ter vivido como "decorativos" no terceiro poder do Estado durante 13 anos de bons salários e promoção midiática?

Aos poucos vai-se percebendo que as alianças políticas dos que se diziam "de centro" obedeciam apenas o oportunismo dos que reconheciam a força da esquerda com um programa democrático de defesa das camadas mais pobres. Os oportunistas sempre foram ladrões e mentirosos, como a história sempre mostrou através dos tempos. E o ato final do falso papel escolhido é a traição, o golpe. Agora confessado nos Estados Unidos onde "Fora" Temer presta contas aos patrões.

As teorias sobre os processos de luta social já explicavam, mas as mudanças só ocorrem quando o povo toma consciência de que foi enganado. E isto ocorre quando o poder entra em crise revelando os seus podres internos: as alianças com inimigos, os decorativos que comem calados, as dondocas usurpadoras, os covardes que poluem as funções da justiça, os rombos no cofre com o escoamento da riqueza para os bolsos milionários.

É um processo histórico que desvenda os erros de quem escolheu mal o seu candidato nas eleições. A culpa não é do eleitor, é de quem manipula a opinião pública, os mentirosos de sempre, os lobos vestidos de cordeiros, a mídia financiada pelo império. Os ingênuos são conduzidos às cegas e fazem o que lhes mandam sem pensar com a própria cabeça.

Mas o Brasil teve 13 anos de respiro, com o aceno da liberdade cidadã. Hoje vemos o fruto: 54 milhões de brasileiros votaram contra os que preparavam o golpe e uma juventude corajosa vai às ruas denunciar a traição e exigir novas eleições diretas, já. Em eleição condicionada por um governo golpista mais de 3 milhões de eleitores desistiram de dar o seu voto. Desacreditaram o sistema político que os abandonou na hora em que o Governo foi invadido por uma gangue criminosa. É hora de parar para pensar com a própria cabeça e resolver os problemas de sobrevivência. A população vai se organizar em função das necessidades básicas, descobrir os seus líderes, recomeçar a manifestar os seus anseios para definir um plano de governo adequado ao Brasil independente.

Os 13 anos de experiência democrática foi o grande passo histórico para desmascarar as oligarquias que sempre estiveram ao serviço de colonialistas e imperialistas. A história é lenta e o subdesenvolvimento ainda domina o país, apesar de umas "bolhas" de sociedade moderna e desenvolvida. Mas o passado foi abalado. Agora enfrentaremos uma situação que se clarifica no mundo inteiro com a crise do capitalismo, os seus estertores terroristas, os golpes dos sabujos.

Vemos as medidas adotadas pelo sistema capitalista para enfrentar a crise financeira em todos os continentes: perdão aos crimes dos ricos, desvio de recursos dos Estados para os bancos privados, criação de Estados Mínimos, austeridade para os trabalhadores, esmolas para os desempregados e para os refugiados, ajuda humanitária para os famintos de países onde as riquezas são continuamente roubadas pelas empresas multinacionais com a ajuda da CIA na promoção de conflitos étnicos ou religiosos e no apoio á juventudes desesperadas para se tornarem terroristas. É visível a existência de um governo supranacional que centraliza o poder militar, a formação cultural dos povos, os recursos financeiros, as transações comerciais. Mas tem pés de barro, porque a humanidade precisa ser livre para ser feliz e refaz o seu caminho com as pessoas em que confia, honestas e capazes de lutar pelos interesses do país, do desenvolvimento nacional, da melhoria de vida dos trabalhadores, ou seja, com um programa de ação verdadeiro.

Por isso queremos novas eleições diretas para reconstruir um governo sem ratazanas à mistura; por isso vamos escolher bem os representantes do povo com conhecimento da realidade e coragem para construir soluções. 


Um comentário:

  1. DEUS NOS TENHA! ESSE PESSOAL PRECISA LEVAR JESUS CRISTO Á SÉRIO.JÁ CHEGUEI A CONCLUSÃO DE QUE O MUNDO SÓ MELHORARÁ QUANDO O EVANGELHO FOR PRATICADO MAIS SERIAMENTE.

    ResponderExcluir