segunda-feira, 10 de julho de 2017

As ratoeiras do sistema capitalista

A luta contínua, permanente

Zillah Branco *

.


Muitos acreditam na democratização do sistema capitalista vestido com suas fantasias populares. É verdade que ensaiam o sistema universal de saúde ou de escolas para todos. Vão atamancando soluções aparentemente copiadas do atendimento à elite mas sem recursos para atender todo o povo. Nomeiam profissionais de renome e atraem em número crescente os que aceitam as condições do serviço público, com menor remuneração e pior condição de trabalho, para estender democráticamente os benefícios do trabalho de médico ou professor.

No entanto, diante da avalanche de trabalho por profissional, reduzem o tempo de atendimento médico e aumentam o tamanho das salas de aula para o professor falar a dezenas de estudantes ao mesmo tempo. É claro que o cidadão não consegue transmitir as suas queixas em resumo para informar o médico nos escassos minutos disponíveis. Nem os alunos conseguem levantar dúvidas para penetrarem a matéria ensinada. Por melhor que seja o médico ele só poderá receitar diante dos exames que o cidadão vai fazer ao longo de meses de espera, porque também os equipamentos estão assoberbados de trabalho. Por melhor que seja o professor, ele não consegue conhecer os alunos para adaptar as suas aulas aos ouvintes e vai se esfalfar para ler as provas de centenas de alunos desconhecidos.

Evidentemente cai a qualidade dos trabalhos, cansam o povo nas filas de espera e os alunos sem orientação pedagógica. Os profissionais dedicados ao atendimento "democrático" vêm-se como robôs diante de um tapete rolante por onde passam velozmente criaturas necessitadas que não têm tempo para conhecer. Os clientes morrem sem tratamento, os alunos mal se alfabetizam.

Então começam a surgir clínicas privadas de luxo e escolas particulares com ofertas de cursos complementares atraentes, que cobram caríssimo mas fazem algum desconto para o Estado (que lhes facilitou o terreno e perdoou impostos para que alí se fixassem) poder usar os seus serviços suprindo as carências dos serviços sociais públicos. É a resposta dos grandes grupos que comandam o capital, ao que se pretendeu ser um apoio social democrático. Fica claro o jogo político em que o Estado, que vai buscar nos constribuintes os financiamentos dados aos grandes grupos, e com as conquistas populares que terão de ser reconquistadas com movimentos populares unidos nas ruas.

As contradições no sistema capitalista, entre o desenvolvimento das forças produtivas que inclui a formação culturam e a defesa da saúde dos cidadãos, contra a ambição de acumulação de riquezas pela elite poderosa, são insuperáveis. A luta social permanente dos trabalhadores pelos seus direitos assegura um relativo equilíbrio entre exploradores e explorados que formam a sua consciência de classe e superam as suas carências com o apoio das estruturas sindicais e partidárias. É uma longa caminhada para não se deixar vencer pela minoria patronal.

As duas classes mantêm a esperança na vitória que será alcançada com o fim dos abusos pelo poder instituido e o uso da força militar, e pela consciência humanista de solidariedade que se clarifica.

As contradições no sistema capitalista são imensas! Por exemplo, no futebol é comum ouvir-se um técnico afirmar que formou um bom jogador para ser "vendido" por seu clube para quem paga milhões e garante um salário milionário para o jogador em outro país, o que engrandece o seu país de origem. Mas existe uma legislação para evitar o tráfico de humanos!

Assim, com a manipulação das leis, exportam capitais para paraisos fiscais, corrompem funcionários do Estado para desviar recursos, destroem empresas nacionais para favorecer concorrentes estrangeiros, controla o sistema judiciário para favorecer amigos e culpar inimigos políticos. Quem manda e detem o poder financeiro faz da pátria o que quiser, inclusive destruí-la. Não existe maior contradição quando uma elite empurra o Estado contra os cidadãos!

Mas o povo pensa, e na medida em que se fortalece pela união e conhece os seus direitos de cidadania, sabe que a Pátria lhe pertence. Então luta, por ela e pelos seus!

Fora Temer e sua quadrilha! Diretas, Já!

Zillah Branco

Nenhum comentário:

Postar um comentário