sábado, 12 de agosto de 2017

A mistificação do sistema capitalista




Temos hoje uma uma visão geral dos problemas de impotência das instituições democráticas e da luta de classes não só na Venezuela mas em toda a América Latina, diante das condições herdadas da colonização ha 500 anos e da neocolonização posterior que manteve um sistema oligárquico de poder. A ambição permanente dos países desenvolvidos e a ação imperialista assumida pelos Estados Unidos ha mais de um século, como ponta de lança do expansionismo capitalista, tem sido um entrave ao desenvolvimento das forças produtivas e de uma consciência de classe na defesa da soberania das nações.

Vivemos um momento difícil em que, para participar em alianças políticas vemos desaparecerem os princípios éticos que são a base da realização de um processo revolucionário capaz de impor o socialismo como sistema. Como na inesquecível novela "O casarão", de 1976 na Globo, em que o velho fazendeiro Atilio, representado por Mário Lago, "misturava com uma varinha os excrementos de galinha em uma banheira para produzir ouro", estamos sempre acreditando nas mentiras que os traidores da pátria dizem e deixando o povo à margem, afogando a sua decepção e consciência de luta na miséria crescente que é física e mental. Temos de sair deste círculo vicioso e rediscutir os princípios essenciais de que a nossa luta depende, temos de unir uma juventude ainda saudável e traçar novos caminhos para não sucumbir nesta fase que deve ser de extertores do capitalismo com os lideres boçais eleitos ou golpistas (Trump, Temer e tantos outros pelo mundo).

De pouco servirá comemorar o centenário da Revolução Soviética promovendo apenas uma recordação respeitosa de um passado de luta e heroísmo, que deve ser atualizado para ser devidamente honrado. Nesta sociedade de robôs serão liquidados os sindicatos, as uniões, os partidos democráticos, se continuarem amarrados às leis criadas pelo "poder judiciário capitalista" que é mais forte que os eleitos no processo de "faz de conta" como se escolhidos pelo povo.

Hoje falam em 27 milhões de escravos no mundo moderno, reconhecidos na classe dos despossuidos, e todas as semanas morrem afogados levas de foragidos das guerras no oriente médio e norte da África nos mar Mediterrâneo e mar Egeu, para não falar nos famélicos abandonados em precários campos de refugiados que a ONU não consegue manter. Agora no Brasil, com os cortes ás bolsas famílias, a miséria invade um país reconhecidamente ríco. Os que sobrevivem são assaltados pelos comerciantes de sexo, de escravos, de órgãos humanos, protegidos pelo sistema capitalista que alimenta a destruição da humanidade e da natureza planetária.

Devemos acrescentar os muitos milhões de cidadãos da classe média a caminho de uma forma de escravização mental, que consideram como profissões: a prostituição (de bordel e de casamentos oportunistas), as barrigas de aluguel sem protecção institucional e de assistência médica, os jogadores de futebol e de outros esportes que são vendidos aos clubes como um "produto", e outras situações juridicamente contraditórias de subordinação da liberdade pessoal aos compradores de direitos dos cidadãos, visivelmente a moderna escravidão humana.

Devemos denunciar a midia e outras instituições que fazem a divulgação promocional desses crimes, assim como dos empregadores que não respeitam as leis laborais e mantêm o sistema precário de emprego, sem garantias, que esvaziam os sindicatos e oprimem duplamente os trabalhadores, os traficantes de seres humanos e os divulgadores de uma cultura de subserviência que modela negativamente as gerações mais jovens e leva as populações à depressão mental por ausência de esperança na dignidade e na vida.

A democracia tornou-se um falso cenário adaptado aos interesses do capitalismo. É uma cópia mal feita e estática, fora do seu processo de desenvolvimento, das conquistas dos trabalhadores reconhecidas e adotadas plenamente apenas pelo sistema socialista implantado pela Revolução de Outubro de 1917. Com este arremedos de social democracia foram minados os conhecimentos científicos, como por exemplo nas áreas do atendimento médico e de assistência social, de forma a ser priorizada a ação comercial e a circulação do capital em benefício das instituiçōes privadas (laboratórios e clínicas que produzem industrialmente e em sistema competitivo), gerem a recolha de impostos e a entrega de pensões e aposentadorias por idade ou carência física. A produção de medicamentos tornou-se uma das maiores indústrias químicas do planeta que visa a competição entre as marcas promovidas pela mídia e a simulação de tratamentos que podem atenuar os problemas físicos dos utentes e criar novos problemas que exigirão novos tratamentos e drogas. A recolha de impostos para atenderem as situações de desemprego, velhice ou incapacidades para o trabalho, é gerida como capital a ser investido para a obtenção de lucros bancários e sofre os riscos de perda de valor conforme as crises sistêmicas determinarem. Objetivamente a proteção do ser humano não se impōe como o fator fundamental que justificaria as instituições criadas. O médico deixou de ser um cientista, sequer tem condições de conhecer o cliente, e repete as cartilhas dos laboratórios adotadas pelo país mediante acordos políticos.

O mesmo ocorre com outras instituições do Estado como transportes, segurança, educação, obras públicas, agricultura e produção animal, pescas, higiene pública e recolha de lixos, distribuição de água e energia, e o sistema judiciário que defende os interesses dos setores privilegiados manipulando as leis votadas pelos Parlamentos e penalizando a população trabalhadora e os desvalidos. A única ajuda que o cidadão pode ter depende da capacidade e dedicação pessoal de funcionários dotados de formação humanísticame coragem para enfrentar as condições impostas pelo serviço público ou privado.

Da mesma forma como são manipulados os produtos farmacêuticos que afetam a saúde humana e os químicos que alteram a natureza, as leis são condicionadas às formulas políticas que sustentam o domínio da sociedade por uma elite privilegiada. O pobre é criminalizado e perde a liberdade por um pequeno delito para poder sobreviver e o rico desvia milhões em oprações fraudulentas do sistema bancário com defesa jurídica capaz de isentá-lo de culpas. Tal impunidade tem agravado as crises sistêmicas e desmoralizado a idoneidade das instituições do Estado dito "democrático". Por um lado o sistema político perde credibilidade e só encontra líderes cada vez mais adaptados à prática da desonestidade e do autoritarismo boçal, e os cidadãos tornam-se órfãos dos valores de cidadania e do respeito humano. Qual será o futuro das populações abandonadas? Como repor os princípios éticos de um processo revolucionário?

Zillah Branco














Sem vírus. www.avast.com



--
Enviado do Gmail para celular

Nenhum comentário:

Postar um comentário