sábado, 7 de julho de 2018

"Um montão de gente"

A sabedoria de um trabalhador

Cassiano, era caseiro em Itanhaém quando eu era adolescente. Morava em um quarto com banheiro e cozinha no fundo de amplo quintal de uma casa de veraneio e fazia bem todo o tipo de trabalho: marceneiro, pedreiro, pintor. Era "pau para toda obra", sempre com um sorriso de ternura para as crianças. Gostava de conversar e fazia perguntas sobre o que aprendiamos na escola "porque não pudera estudar além do segundo ano primário". Ao saber que eu estava no curso de Ciências Sociais deu-me um forte aperto de mãos pedindo que sempre lhe passasse alguma coisa para que pudesse entender a sociedade brasileira. Ficamos muito amigos ao longo dos anos. Ao vir de Portugal em 1996 fui visitá-lo. Estava bastante debilitado, com o coração enfraquecido, e mal saia da cama. Para se entreter havia feito um suporte em madeira para ler a Bíblia que já não aguentava nos braços. Não era religioso, lia como quem estuda a história passada. Substituiu-a pela biografia do Mandela que lhe trouxe.

Fez-me muitas perguntas sobre os movimentos políticos mundiais de que tinha notícias por uma pequena televisão. Dizia- se surpreendido com grandes manifestações sindicais na Europa, notando que os trabalhadores se uniam por profissões, vindos de várias partes dos países e até de outras nações. Tanto eram operários, como professores ou médicos. Perguntava: "será que no Brasil teremos organizações assim?" E concluiu com tristeza: "Eu acho que o Brasil não tem um povo. Tem é um "mundão de gente".

Impressionou-me o seu pensamento. Revelava uma observação profunda feita durante toda a sua vida, de filho de escravos, menino de rua, biscateiro, ajudante de quem trabalhava aprendendo as várias profissões, tomando conta da propriedade de quem gozava do conforto de classe média procurando conhecer o que era ensinado nas universidades e ocorria no mundo.

De fato o colonialismo no Brasil destroçou o povo nativo, trouxe escravos separando as famílias e tribos para evitar que as identidades gerassem resistência, não transpôs comunidades portuguesas mas sim elementos esparsos que eram colhidos para compor o pessoal das caravelas, importou meninas de orfanatos franceses para formarem famílias, e com o Império organizado vieram imigrantes de vários países europeus a quem entregaram terras para formarem as suas comunidades. Diferentes todos, nas culturas e nas situações sociais, sem uma estrutura nacional para produzir e para formar uma cultura que os unisse.

Com a implantação do sistema capitalista cada região recebeu de fora o seu comando. Os Estados desenvolveram-se como puderam, dependentes do latifúndio ou de impulsos industriais diversos. São Paulo foi enriquecido pelas instituições financeiras necessárias a todos e distribuidas desde a Inglaterra e os EU. Fez-se a capital econômica e polo de poder. A capital Federal ficava mais próxima do latifúndio e administrava de longe o país. O extenso Maranhão só recentemente, com o governo de Flávio Dino, deixou de ser um domínio oligárquico para integrar a nação e sair do atraso.

Getúlio vislumbrou a necessidade de estruturar a nação em torno das grandes empresas nacionais. Sem poder para enfrentar os donos da dinâmica nacional deixou o projeto como testamento. A inspiração chegara depois da grande guerra, da experiência socialista da URSS e do despertar do ensino universitário integrado por organismos internacionais como a CEPAL, da ONU. Chegou também a ditadura militar repressora de movimentos sociais e políticos para evitar a emancipação nacional.

No bojo deste despertar da identidade nacional afogada em crimes até hoje não desvendados surgiram das oligarquias e das universidades políticos capazes de exercerem lideranças conservadoras ou sociais-democratas inspiradas desde os países mais desenvolvidos. A esquerda perseguida sempre semeou a luta popular e os objetivos revolucionários sem conseguir uma estrutura sindical na falta de uma organização da produção nacional. O modelo também era externo, de culturas completamente diferentes do nosso "montão de gente".

Foi Lula quem abriu o caminho, primeiro na luta sindical que se espalhou pela indústria das grandes empresas estrangeiras em S.Bernardo. Inspirou a burguesia nacional que viu a oportunidade de superar as oligarquias e aglutinar as esquerdas no PT. Lula eleito abriu um projeto nacional para o desenvolvimento levando a Bolsa Família, a água e energia elétrica para abastecimento doméstico e irrigação das culturas, saúde e escolas para todos. A inexistência de uma estrutura de classe trabalhadora, de uma política consequente que fizesse o uso da riqueza depender dos passos de desenvolvimento das forças produtivas nos centros urbanos e com a reforma agrária no latifúndio, permitiu que as antigas lideranças oligárquicas tirassem proveito dos altos cargos ocupados pela elite no Estado e nos Parlamentos.

Hoje este problema é debatido amplamente. Deve ser aprofundado pois a compreensão dos enganos causados por ignorância de conceitos políticos - socialismo não é social democracia que segue neo-liberalismo, democracia não depende da autorização da elite, generosidade não é solidariedade, etc.-  continua permitindo que um ilustre oligarca de raiz se transforme em simpático às transformações revolucionárias. Como os que sairam do ARENA para o MDB, do PMDB para o PSDB, ou de uma juventude anti-ditadura para a promoção do golpe para vender o Brasil na feira internacional.

Com todas as experiências hoje estrutura-se um "povo" como reclamava o Cassiano. As escolas públicas produziram cientístas, profissionais, artistas e líderes. Os sindicatos descobrem que unidos defenderão uma legislação trabalhista. Os petroleiros defendem a empresa estatal, os sem-terra provam que só eles, unidos, defendem uma alimentação sem venenos. As mulheres impõem o seu valor, as etnias expulsam os preconceitos. Os cidadão defendem todos os seus direitos. Unem-se pelas suas características de vida, de trabalho, definidas as identidades que superam fronteiras geográficas e estruturam o povo. Este povo é que apoiará uma plataforma governamental e votará um Referendo para revogar todas as vendas ilícitas do patrimônio nacional.

Zillah Branco

Nenhum comentário:

Postar um comentário