terça-feira, 22 de março de 2016

O valor de Lula

É preciso alguém ser muito alienado pela mídia e não fazer uso da sensibilidade humana e social, para deixar de reconhecer o valor de Lula na história do Brasil.

Como se o facto de superar a fome de 50 milhões de pessoas fosse fácil para qualquer governante, assim como reduzir a distância social entre pobres e ricos, e transformar milhões de pessoas abandonadas em cidadãos sem discriminação, e investir na infra-estrutura de regiões marginalizadas durante séculos, e criar condições do ensino básico ao universitário para receber qualquer brasileiro a ser formado, e abrir a consciência popular para participar no desenvolvimento nacional ultrapassando todo o atraso do subdesenvolvimento imposto por colonizadores e imperialistas por mais de 500 anos, e afastar a pressão do FMI e criar 22 milhões de novos empregos, e criar o programa da Luz para Todos, e levar água canalizada para populações que morriam na seca.

Lula reúne as condições pessoais para simbolizar o Brasil pobre, consciente da necessidade de mudança para tornar efetiva a democracia no país, e tem a coragem de enfrentar a luta pelo controle dos programas governamentais. E foi eleito Presidente da República com amplo apoio de setores da produção e de intelectuais defensores da liberdade para propiciar o desenvolvimento social e econômico livre dos constrangimentos impostos pelo imperialismo. Ao terminar o segundo mandato ainda contava com um apoio de 80% dos eleitores. A sua figura de herói popular, que encarna a consciência da realidade dos oprimidos no sistema capitalista dominante, marca a história do Brasil para sempre.

Que os Tios Patinhas do sistema financeiro não queiram que os pobres tenham os mesmos direitos dos ricos, entende-se, pois os seus lucros terão de ser divididos com a sociedade brasileira e eles são o símbolo do egoísmo. Mas que os seus empregados, que têm familia para formar como gente honesta integrada na vida democrática de um país desenvolvido e com esperança de um futuro bom para todos, só sendo humilhados como subordinados ao dinheiro sujo é que poderão preferir o golpe contra a democracia. Acorda pessoal! A crise do sistema capitalista está aí para ser paga por banqueiros que nada produzem e vivem como agiotas, e não pelos trabalhadores! O único produto do setor financeiro no sistema capitalista é a corrupção !

A maioria dos brasileiros é pobre, porque até agora foi sempre afastada dos seus direitos de cidadania, e classificada como classe média porque é explorada como os "escravos de ganho" do período colonial. É com eles que o Brasil conta para desenvolver a produção e elevar o nível de vida nacional. É com eles que teremos um aprofundamento do conhecimento científico para criar soluções para os problemas de saúde e fertilização do solo para não usarmos os remédios-envenenados que os laboratórios da indústria multinacional que nos vendem caríssimo. É com eles, os pobres, que o Brasil conquistará um lugar de destaque nas organizações internacionais que lutam pela Paz mundial. É com eles que será implantada a justiça no sistema judicial para afastar os privilégios de alguns que impedem a vigência da democracia.

Lula nasceu pobre e fez um curso de "realidade social" a partir da fome que sofreu em criança e da vida de metalúrgico que lhe deu mais luzes que a muitos professores promovidos como gênios. Com esta formação tornou-se líder sindicalista e elegeu-se Presidente da República para dar o maior passo histórico no Brasil, estendendo à maioria a condição de cidadania e de vida. Nem tudo conseguiu fazer devido aos boicotes de uma camada social interessada apenas em "ter poder para enriquecer". Hoje temos de impedir que destruam o muito que já se fez e criar condições para afastar os obstáculos que ainda estão agarrados ao Estado como carrapatos.

O seu exemplo de lutador incansável inspira e recebe o apoio de outros que seguem igual caminho revolucionário nos demais países latino-americanos despertados por Fidel Castro em 1958. Mas também em outras regiões mais desenvolvidas, da Europa por exemplo, também deram o seu apoio a Lula que rompeu o domínio estrito da política financeira imposta em todo o mundo e afirmou a noção de dignidade nacional.

As lutas políticas não se definem exclusivamente pela existência da miséria crescente em contraposição ao poder de uma elite milionária. São múltiplas as questões derivadas de tal condição sistêmica, tanto políticas, econômicas como sociais, e afetam o comportamento das instituições governamentais, sobretudo no que se refere às leis que são aplicadas por setores com alguma autonomia dentro do Estado de Direito, e à dinâmica das ações financeiras que são conduzidas pelo poder das instituições financeiras subordinados a um comando supra-nacional definido pela moeda norte-americana, o dollar.

Este super poder estabeleceu constrangimentos ao desenvolvimento dos programas democráticos no Brasil, assim como na maioria dos países, cerceando a autonomia necessária para que o governo, sucessor ao de Lula, pudesse estabelecer a prioridade na efetiva instauração da democracia. Uma das armas desse poder estrangeiro é a corrupção de altos funcionários que hoje é endêmica no mundo. Outra arma é a comunicação social que divulga informações falsas em mistura com fatos reais de modo a quebrar a confiança nos que lutam em defesa dos pobres e da democracia.

A Frente Brasil pela Democracia, que congrega sindicatos e associações de massa, ou de estudantes e intelectuais, tem mantido uma crescente adesão ao apoio vindo das ruas, com uma variedade de tendências que têm em comum o patriotismo e a solidariedade com os que ainda são privados dos benefícios sociais devidos a todo o povo. É um exemplo de consciência de luta para todo o mundo que se reflete em toda a Amèrica Latina ameaçada pelo imperialismo e atrai a atenção de todos os povos que têm problemas semelhantes nos seus países.

Nenhum comentário:

Postar um comentário