quarta-feira, 8 de julho de 2015

Democracia é palavra grega e mundial




A palavra e o seu conceito nasceram na Grécia antiga, depois passou a ser repetida em todo o planeta graças às lutas dos povos contra o domínio e a exploração impostos por elites que passaram a controlar o poder financeiro e militar.

Para não reconhecer as graduais derrotas, a elite (que controla os meios de comunicação e forma a opinião pública fazendo esquecer a cultura e a formação ideológica dos povos), adota palavras como democracia e liberdade deturpando o seu conteúdo histórico. Assim surgiu o conceito de capitalismo democrático, e os seus líderes imperialistas apresentam-se como democratas mesmo quando invadem os países independentes e chacinam as populações civis; quando dão armas a grupos terroristas e exércitos mercenários que desestabilizam o Oriente Médio e o norte da África; quando apoiam grupos de direita que preparam golpes na progressista América Latina. E, com a falsa democracia foi criada a União Europeia que desuniu os povos e uniu os capitais sob o controle do Banco Europeu que criou a moeda Euro.

A Grécia, que sofreu a ocupação alemã na última guerra (tendo um milhão de mortos e a produção nacional destruída) e recusa pagar esta imensa dívida, suportou décadas de pressões imperialistas que impuseram ditaduras que impediram o desenvolvimento nacional até ser admitida democráticamente como parceira da União Europeia.

O povo grego, cansado de ser traído por governantes que aceitaram os programas da UE e FMI que resultaram na austeridade para a população e o enriquecimento dos banqueiros e afins, elegeu um governo de esquerda chefiado por Alexis Tsipras. Os debates de surdos foram feitos durante cinco meses com os mandatários e especialistas da UE/FMI que insistem em comandar o novo governo sem mudar as suas táticas destrutivas até que Tsipras resolveu consultar o povo se devia ou não aceitar o comando externo. A resposta dada foi um rotundo NÃO (OXI em grego) que o mundo inteiro entendeu (com os parabéns escritos em todos os idiomas), menos os dirigentes do Conselho Europeu.

Com as suas gravatas e roupas finas, concederam uma nova reunião com o Primeiro Ministro da Grécia, Tsipras que lá foi com o renovado apoio popular (que os demais não têm, por isso compram roupas caras e gravatas para manter a falsa firmeza de governantes democraticamente eleitos). Explicou o que é democracia, desenvolvimento, produção, independência e soberania. Mas não deu a lista de despesas que fará com os 7 mil milhões de Euros necessários para sair do buraco em que a UE/FMI meteu o povo grego. Não cumpriu a exigência dos que se assenhorearam do capital europeu para colonizar os povos. E fez muito bem! Aplaude a humanidade que defende a dignidade dos povos e o Direito dos Homens.

Os dirigentes da UE sairam descontentes dizendo à mídia submissa que a Grécia não fez a lição e poderá ser expulsa da Zona Euro! Mas o mundo viu que a UE e o FMI não entenderam a resposta de Tsipras que qualquer cidadão do mundo entende, porque a questão é DEMOCRACIA!

Zillah Branco  

Nenhum comentário:

Postar um comentário